Fernando  Sobral
Fernando Sobral 08 de junho de 2017 às 09:37

O Popular custou um euro. E Espanha discute o negócio

A Europa estava nervosa com o Popular. E decidiu activar o seu resgate e a venda ao Santander por um euro. Um preço simbólico.

Ana Botín disse: "Damos as boas-vindas aos clientes do Banco Popular, que passam a fazer parte do grupo Santander. Vamos trabalhar no duro para lhes oferecer o melhor serviço durante o período de transição e no futuro. O banco resultante da integração do Santander e do Popular fortalece a diversificação geográfica do grupo num momento de melhoria do ciclo tanto em Espanha como em Portugal, o que nos permitirá cumprir todos os nossos compromissos com clientes e accionistas." Tudo claro.

No Público, de Espanha, Juan Carlos Escudier escreve: "Para negociar a autópsia (do Popular) com o BCE foram hoje a Frankfurt os responsáveis da entidade com o seu presidente à cabeça, Emilio Saracho, figura do mundo das finanças a que os principais accionistas recorreram em Fevereiro para que conseguisse o milagre e que não fez mais do que elaborar as medidas do baú de pinho. Por estes trabalhos de carpintaria embolsou antecipadamente quatro milhões de euros, lápide à parte. (…) Para o governo espanhol que defendeu que os bancos espanhóis eram mais altos, mais bonitos e mais loiros, o problema não é pequeno, por muito empenho que se tenha colocado em proclamar que o Popular era muito solvente, que era uma entidade privada que rapidamente resolveria as suas contas e que, assim, não se gastaria um euro público à sua salvação." No El Mundo, Carlos Segovia analisa: "O Popular teve de ser entregue de emergência pelas autoridades europeias ao Santander. (…) A operação implica também oferecer um serviço ao Estado e, particularmente, ao Governo. (…) Ana Botín sabe, também, a escassa estima que Rajoy sempre mostrou pelo seu pai Emilio. Com a compra, o Santander presta também um serviço às autoridades europeias que necessitam de mostrar que, desde que têm competência, já não há resgates com dinheiro público."


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PERDOAI LHES SENHOR 08.06.2017

PERDOAI SENHOR A TODOS OS BCPARVOS E BCP IDIOTAS QUE ANDARAM ESTA SEMANA A VENDER AÇÕES DO MILENUM BCP A ESTES PREÇOS RIDICULOS A PARTIR DE AMANHÃ JÁ VÃO COMEÇAR A CHORAR BABA E RANHO

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub