Fernando  Sobral
Fernando Sobral 31 de janeiro de 2017 às 19:50

O PS e as mil e uma maravilhas

Em 1906, José Luciano conseguiu criar, no meio da confusão política e partidária dos últimos anos da monarquia, um governo. José Luciano tinha a simpática alcunha de "velha raposa" e conseguiu juntar no executivo personalidades que se rivalizavam ou odiavam.

A cola era o poder. Só isso justificava que um desses ínclitos políticos, Manuel Afonso Espregueira, mesmo estando doente e não saísse de casa, governasse dali pelo telefone. Não foi por acaso que este governo foi chamado de Ministério das Mil e Uma Maravilhas. A aliança parlamentar que suporta o Governo de António Costa nalguns casos assemelha-se ao Ministério das Mil e Uma Maravilhas. A sua improbabilidade era digna de "Esperando Godot", a peça de teatro do absurdo de Samuel Beckett. Mas o certo é que foi funcionando durante estes meses, unida pelo desafio de afastar a ideologia global que foi implantada em Portugal durante quatro anos, assente numa depressão económica, política, social e emocional. À esquerda do PS isso foi visto de uma forma mais materialista: a reposição de rendimentos e direitos era o cimento político da aliança.

 

Mas, dois OE depois, Alice está perdida neste mundo de maravilhas que era impossível ser eterno. Os sinais de desconforto no PS começam a multiplicar-se perante aliados que colhem dividendos e, excepto no capítulo da chamada "paz social", não esquecem que são de ecossistemas políticos diferentes. E que o PS não é seu aliado de uma frente popular: é alguém de quem se desconfia ideologicamente e que apenas serve os objectivos políticos do presente e do futuro. Aquilo que Carlos Silva da UGT veio dizer da posição da CGTP de Arménio Carlos é o eco audível de um PS que começa a ficar farto de quem tudo pede, mas que consegue sempre ficar de fora na hora da clareza de acordos. De quem fica com os créditos, mas evita as despesas. O caso da Carris em Lisboa é mais um sinal desta política que começa a minar a aliança à esquerda. O Ministério das Mil e Uma Maravilhas do século XXI vive um dos seus momentos decisivos.

 

Grande Repórter

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 01.02.2017

Certissimo!
Era previsivel, que com o final das reversoes, reposições e aumentos da FP a lua-de-mel terminaria!

Veremos se o divorcio sera ou não litigioso...

pub
pub
pub