Raquel Godinho
Raquel Godinho 05 de dezembro de 2017 às 21:15

O que diz a divergência entre o S&P e o Nasdaq? 

A primeira sessão desta semana ficou marcada pela queda das tecnológicas. O movimento foi de tal forma generalizado que foi denominado como um "sell off" no sector.

Pelo contrário, as cotadas ligadas ao consumo e à banca estiveram a valorizar numa sessão marcada pela aprovação da reforma fiscal prometida por Donald Trump. Apesar destes ganhos, o peso das tecnológicas acabou por ser responsável pela queda do S&P500 no final da sessão, depois da subida acentuada que chegou a registar. E já há quem deixe alertas. "Hoje foi o primeiro sinal do S&P de que podemos ter fraqueza a chegar. Abriu em alta com as notícias, corrigiu e fechou nos mínimos do dia. O dinheiro não rodou para as tecnológicas e essas acções pressionaram ainda mais", afirmou Scott Redler, da T3Live.com. Deste modo, a divergência entre o Nasdaq (desce cerca de 1,5%) e o S&P500 (sobe perto de 1,5%), acumulada nas últimas cinco sessões, é a maior desde Maio de 2009, quando teve início o "bull market", de acordo com os dados da Bespoke citados pela CNBC. Alguns especialistas alertam que esta divergência pode ser motivo de preocupação para os investidores no médio prazo. Outros lembram as recuperações recentes das tecnológicas. Quem terá razão?

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub