António Moita
António Moita 06 de agosto de 2017 às 21:20

O que faz falta é animar a malta

Agosto é o mês perfeito para o bronzeamento da pele e para o branqueamento das trapalhadas políticas.

Passadas que parecem estar as semanas de dificuldade política em resultado da tragédia dos incêndios e da incúria de Tancos a verdade é que a calmaria voltou aos mares socialistas.

 

Depois de alguns anos traumáticos em que os índices frios da economia entraram à força nas nossas vidas, grande parte da população parece hoje preferir não pensar muito nisso.

 

Na verdade, o país não mudou em substância. O desemprego vai descendo, mas continua muito elevado, a dívida é mais barata, mas continua a ser exagerada e impossível de pagar, o setor público tem cada vez mais gente, mas os serviços nem por isso melhoram, o défice vai baixando, mas muito à custa das já célebres cativações de Centeno, a banca parece sair do buraco negro, mas nem por isso o financiamento à economia está mais facilitado.

 

Na formulação do Governo é a tendência que importa e é o discurso que marca a evolução dos dados económicos. Falar em austeridade deprime os mercados. Falar em crescimento estimula os agentes económicos. Está encontrado o caminho. O léxico oficial apenas utiliza palavras bonitas para anunciar coisas boas. Mas rezar também ajuda.

 

António Costa iniciou uma original experiência governativa sem ter a mínima ideia se ela iria durar. O perigo iminente de eleições obrigava a cuidar das expetativas e das perceções. Mas como a solução se mantém frágil – a discussão do próximo orçamento tornará isso evidente – haverá que continuar a ter como prioridade política a comunicação.

 

Manter a malta animada é difícil e, como se viu, nunca se consegue em permanência. António Costa percebeu no último mês que quando as suas fragilidades se tornam evidentes o povo fica desconfiado. E como essa desconfiança não lhe garante os votos necessários para uma maioria absoluta, estou convencido de que o dia 1 de Outubro não marcará o fim da campanha eleitoral.

 

Jurista

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O Costa não consegue hipnotizar a dívida estratosf 07.08.2017

Quando o Mario Draghi safar os bancos italianos, o programa de compras de dívida que o BCE faz termina, aí quero ver o que o Ronaldo Sem Tino irá fazer!
Perante uma situação do tragédia o Costa foge de férias.
Com o descalabro da dívida, quero ver como reage o oportunista do costa!
Férias!?

Anónimo 07.08.2017

A bebedeira colectiva que nos foi imposta pelo costa, katrina e jerry, não pode durar muito mais e a ressaca vai ser lenta e dolorosa. O pior de tudo, vai ser o despertar do torpor que muitos hoje ainda teimam em não querer ver, esfregar os olhos e entrar de novo na realidade . Lá virá um ladrão!...

Mr.Tuga 07.08.2017

O sitio ANESTESIADO....