Fernando  Sobral
Fernando Sobral 05 de setembro de 2017 às 09:22

O Reino Unido vai pagar. Quanto? Ninguém sabe

A imprensa britânica avança que Theresa May já acordou, secretamente, um valor que o Reino Unido pagará à União Europeia para sair. O valor é simpático: 50 mil milhões de libras. Será verdade?

No Politico, o secretário de Comércio Externo britânico, Liam Fox, diz que é um "disparate completo" sugerir que há um acordo secreto para o Brexit. "A ideia que internamente acordámos um valor é um disparate. Um completo disparate." Mais: disse que no subcomité britânico ligado ao Brexit, onde ele e outros eurocépticos têm assento, terá de haver acordo sobre esse valor. E não há. E, criticando quem passou a informação para os jornais, acrescentou: "Esta é uma parte importante das negociações, e deveríamos estar a discutir isso nas estruturas apropriadas e não na primeira página dos jornais." No Guardian, Matthew d'Ancona escreve: "O Partido Conservador está na posição mais desesperada que eu me lembre. Confunde governo com poder. Confunde o resultado do referendo sobre a UE com um mandato partidário. Assume que os eleitores, mais tarde ou mais cedo, abandonarão Jeremy Corbyn como um perigoso impostor socialista. (…) Tradicionalmente o Labour foi sempre o partido da teologia: está convencido de que a história tem uma direcção e que a dialéctica da luta vai levar a um destino glorioso. Agora são os apoiantes tories do Brexit que abraçaram esta ideia, interpretando a partida da Grã-Bretanha da UE como uma manifestação de destino nacional, uma providência. (…) Como todas as religiões, esta não tolera heresias." Já no Independent, Matthew Norman argumenta: "Depois de uns desastrosos meses, alguém consegue imaginar porque é que Theresa May quer continuar como primeira-ministra?" May disse que ficará até o Brexit se concretizar, mas irá a votos nas eleições de 2022. (…) Talvez vocês já tenham notado que May faz muitas promessas que nunca se concretizam."

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub