José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito 16 de janeiro de 2017 às 20:10

O voo de Ícaro

Desde as eleições americanas, o índice Dow Jones valorizou-se 10% em direção ao mítico marco dos 20.000, olimpicamente desprezando tantos e variados riscos que espreitam no horizonte.

A FRASE...

 

"(…) A obsessão com o Dow [Jones] a 20.000 é disparatada."

 

Washington Post Online, 5 de janeiro de 2017

 

A ANÁLISE...

 

A vitória de Donald Trump - como antes o Brexit - não foi a desgraça financeira vaticinada por quase todos os quadrantes da opinião pública ocidental.

 

Desde as eleições americanas, o índice Dow Jones valorizou-se 10% em direção ao mítico marco dos 20.000, olimpicamente desprezando tantos e variados riscos que espreitam no horizonte. A fuga de capitais da China, a depressão em que se mantêm Brasil e Rússia, os problemas da banca europeia ou a admissão do vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, de que a dissolução da União Europeia deixou de ser uma ideia inconcebível, não preocupam os investidores. Parece que a única coisa que os motiva é a miragem do Dow Jones a 20.000. É claro que esta edição da quimera da valorização incessante dos mercados acionistas, tal como as bolhas dotcom e subprime que a precederam, necessita de uma narrativa que a legitime. À falta de melhor escolheu-se a estratégia económica de Trump, apesar de esta ainda não ter sido apresentada de forma estruturada, e muito menos quantificada, e de contar com a oposição de um Congresso no qual o novo Presidente tem mais inimigos do que aliados.

 

A Reserva Federal alinha nesta narrativa porque sabe (ou devia saber) que a próxima recessão da economia americana está ao virar da esquina e que por essa razão tem uma janela limitada para subir as taxas de juro dos patamares mínimos em que se encontram. Só assim terá espaço para as descer quando a procura soçobrar e o desemprego disparar. Mas o equilíbrio não é fácil, pois uma subida dos juros numa economia extremamente endividada - ainda mais do que na véspera do fiasco do subprime - acarreta o risco de implosão financeira nos EUA.

 

A obsessão pelo Dow a 20.000 demonstra que a comunidade financeira entrou num voo temerário em direção ao Sol, ignorando, tal como Ícaro, que quanto mais se aproximar do objetivo, maior perigo enfrenta.

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub