Francisco Mendes da Silva
Francisco Mendes da Silva 17 de Outubro de 2016 às 10:15

O Governo engana, o Orçamento não

O Orçamento do Estado é o principal instrumento político de um Governo. É ele que traduz, como nenhum outro documento, as orientações de quem dirige o país.

O Orçamento para 2017, o primeiro em velocidade de cruzeiro da solução governativa do PS, BE e PCP, é um testamento nítido do programa com que essa solução chegou ao poder.


O Governo legitimou-se no Parlamento porque tinha uma alternativa clara: a aposta seria no crescimento económico gerado pela reversão da "austeridade", com a aceleração do investimento público e da devolução de rendimentos, potenciada por uma negociação "inteligente" com Bruxelas sobre as metas orçamentais e, eventualmente, por um alívio caridoso da dívida.


O Orçamento para 2017 atesta que pouco ou nada sobra dessa alternativa. Com o crescimento longe do prometido pelo Governo, o amor às metas orçamentais impostas do exterior é hoje um sentimento que une os três partidos da esquerda parlamentar - talvez por ser consumado de uma forma que lhes corre no sangue ideológico: criação de impostos, aumento de impostos já existentes e não extinção de impostos que se prometeu extinguir.


Ainda assim, ao mesmo tempo que jura fidelidade à política de restrição orçamental, o Governo continua a vender a ideia de que se assiste ao famoso "virar da página da austeridade". Como é que se articulam estas duas prioridades, aparentemente contraditórias? É fácil: à "austeridade" o Governo dedica as medidas do Orçamento; ao "virar da página da austeridade" dedica a propaganda sobre as medidas do Orçamento.

Um exemplo? O novo imposto sobre o património imobiliário. Durante semanas, para obter o favor popular, os partidos da esquerda disseram-nos que se trataria de um imposto inspirado na "justiça fiscal", cirurgicamente dirigido a um pequeno conjunto de "muito ricos" (aqueles que, segundo chegou a dizer Mariana Mortágua, fogem ao IRS). Ora, vai-se a ver o Orçamento e o que temos é algo completamente distinto. O Governo criou um novo imposto que não só ataca muito mais famílias do que a propaganda anunciava como se aplica à generalidade das empresas. Trata-se, portanto, de um agravamento transversal e significativo das condições de exercício da actividade económica, um sinal dispensável num país que deveria antes estar a dar choques eléctricos ao investimento.

Outro exemplo é o da "eliminação da sobretaxa do IRS". Ao contrário do que diz a propaganda, ela não será eliminada, nem "gradualmente". O que há, apenas, é uma redução das taxas. Só as retenções na fonte é que serão eliminadas ao longo do ano. Mas as retenções são só uma antecipação do pagamento do IRS, por conta do imposto a liquidar no fim do ano. A sobretaxa continuará a ser aplicada a todos os rendimentos de 2017. Quem achar que a deixou de pagar a meio do ano, só porque esse "corte" desapareceu da folha de vencimento, terá uma surpresa desagradável. Mas só depois, claro, de votar nas autárquicas.
A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Ed_Gein67 Há 2 semanas

Podem publicar os artigos do orçamento que atestam esta opinião?

Tens razão Há 2 semanas

Os PAF enganaram, roubaram. Obrigado Costa

Anónimo Há 2 semanas

Nem mais! Este governo vive para a manipulação das expectativas e para o embelezamento das medidas de austeridade. Como é que se pode explicar o anúncio de que as receitas do novo imposto sobre o imobiliário serão canalizados para o Fundo de Estabilização Financeira da SS, se não como uma forma de amenizar uma medida polémica e impopular? Com esta "justificação" a maioria das pessoas acaba por ver menos mal o pagamento deste imposto. Este governo usa a propaganda manipulatória como nenhum outro alguma vez ousou na nossa democracia.

Anónimo Há 2 semanas


PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)