Celso  Filipe
Celso Filipe 04 de Outubro de 2016 às 09:45

O não à paz recoloca a Colômbia na rota da instabilidade

O acordo para um cessar-fogo e o regresso à paz na Colômbia, assinado pelo Presidente do país, Juan Manuel Santos, e pelo líder das FARC, Rodrigo Londoño, foi chumbado num referendo realizado no domingo.

Perante esta derrota inesperada, as duas partes reiteraram o compromisso de estabelecer a paz depois de uma guerra que já dura há 52 anos.

A pergunta que obviamente se coloca é esta: porque é que o povo colombiano, maioritariamente, recusou o acordo? Valeria Luiselli, no El País, constata que a campanha do não foi impulsionada pelo ex-Presidente do país, Álvaro Uribe, e baseou-se na seguinte lógica: "Os acordos de paz oferecem impunidade em vez de castigar as FARC como elas merecem." A versão vencedora do plebiscito foi o de que o acordo "não assumia que nesta história há bons e maus e que o direito a outorgar perdão só pode ser dado por quem tem de escrever esta história".

No jornal colombiano El Tiempo, Luis Carlos Ávila R., que passou muitos meses a recolher histórias dos elementos das FARC e das suas vítimas, desmonta esta perplexidade e dá uma resposta: "Sempre me gerou curiosidade que tanto vítimas como vitimizadores chegassem sempre a um ponto em comum: não se trata de esquecer, mas sim de deixarmo-nos de culpar, porque sem perdão não há saída, sem reconciliação não há avanço."

Erika Guevara-Rosas, directora da Amnistia Internacional para as Américas, diz que o não no referendo foi uma "oportunidade perdida para a paz e deixa no ar receios quanto ao futuro". "A incerteza que este voto traz pode ter colocado milhões de pessoas na Colômbia, particularmente grupos vulneráveis como indígenas, afrodescendentes e camponeses, em maior risco de sofrer violações dos direitos humanos."



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.10.2016


PENSIONISTAS DA FP ROUBAM OS TRABALHADORES DO PRIVADO.

Os descontos efetuados pela FP só permitem pagar metade do valor das pensões.

O resto vem dos impostos pagos por todos os portugueses (ou seja, NÃO é propriedade do pensionista)!

É ROUBADO pelo pensionista.

comentários mais recentes
surpreso 04.10.2016

O Santos não explicou como comprou os assassinos e o povo desconfiou do branqueamento

Anónimo 04.10.2016


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos.

Anónimo 04.10.2016


FP – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO


OS FP DEVEM ESTAR MOTIVADOS APENAS POR TER EMPREGO!

Pois estão bem melhor do que as vítimas do SOCRATES GATUNO que endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

Anónimo 04.10.2016


PENSIONISTAS DA FP ROUBAM OS TRABALHADORES DO PRIVADO.

Os descontos efetuados pela FP só permitem pagar metade do valor das pensões.

O resto vem dos impostos pagos por todos os portugueses (ou seja, NÃO é propriedade do pensionista)!

É ROUBADO pelo pensionista.

pub
pub
pub