Sandra Clemente
Sandra Clemente 05 de Outubro de 2016 às 20:35

O placebo

O presente do primeiro aniversário do Governo veio de véspera com o comissário da Economia e Orçamento a falar na preocupação de Portugal precisar de um segundo programa de ajuda para financiar o orçamento.

O Governo não considera existir "nenhum indicador que permita ter uma atitude pessimista face à evolução da economia e das finanças portuguesas". Costa, que afirmou ter um programa macroeconómico compatível com um cenário de imprevisibilidade internacional, RTP 11/15, e acusou o governo anterior de falhar os dois objetivos principais, pôr a economia a crescer e reduzir a dívida, vive agora à custa do excesso de mitos que disse ao Público existirem. A esquerda acabou com a austeridade: economia a crescer 1%, contra os 1,6% do ano anterior; dívida pública a subir há seis meses consecutivos.

 

O FMI prevê o regresso de Portugal aos défices externos em 2017 e o segundo crescimento económico mais baixo da Europa. A esquerda não faz despedimentos: só na CGD serão dois mil. A esquerda não aumenta impostos: o Estado tem de arrecadar 17.434 milhões em impostos nos últimos quatro meses do ano para alcançar a receita fiscal prevista no orçamento diz a UTAO. Um aumento de 1.462 milhões em relação a 2015.

 

Para já aumentaram os impostos sobre os combustíveis, os imóveis, o património e são certos mais impostos indiretos. A esquerda não faz cortes na Segurança Social (SS), que aliás não precisava de reformas, bastava diversificar as fontes de financiamento: vai aplicar a condição de recursos às pensões mínimas. Claro que não fala das implicações na SS do aumento da esperança média de vida, que em Portugal subiu para 80,41 anos, e do número de reformados, na Europa serão um 1/3 da população em 2050. Diz o Citigroup que nove países, Áustria, Grã-Bretanha, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Polónia, Portugal e Espanha, têm responsabilidades com pensões do setor público de mais de 300% do PIB. Isto, e mais, está a ser feito pela esquerda, tal como em 2011. Vai doer na mesma.

 

Jurista

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado saraiva14 05.10.2016

Não tenhas cuidado, não! Falar contra a Esquerda é perigoso! Contra a Esquerda e contra o benfica!

comentários mais recentes
Anónimo 06.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015.

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

Mr.Tuga 06.10.2016

Como diz a outra: "austeridade á lá esquerda"...

indicador de "lata 05.10.2016

É preciso é um indicador de "lata". Já metem nojo e ainda hoje engoliram um sapo com o Guterres, o tal da obra faraonica chamada Alqueva. E o Alqueva também ia para a mama das concessoes. Não é Portas/cristas?

saraiva14 05.10.2016

Não tenhas cuidado, não! Falar contra a Esquerda é perigoso! Contra a Esquerda e contra o benfica!