Fernando  Sobral
Fernando Sobral 17 de agosto de 2017 às 09:49

Os CEO americanos e Trump. E Jon Snow torna-se político

A correcção durou 24 horas. Donald Trump falou à imprensa e voltou a colocar-se entre os movimentos supremacistas brancos e os militantes anti-racistas. Nada de novo.

O argumento é simples, como é típico de Trump: "Havia pessoas ruins de um lado e também pessoas muito violentas do outro." Assim, "havia muitas pessoas boas dos dois lados". Quem não achou piada a esta posição dúbia foi mais uma série de CEO de grandes empresas americanas que se retiraram do seu comité de aconselhamento, incluindo o da Intel, o da Merck e o da Under Armour. Agora foi o CEO da Walmart, a maior cadeia de supermercados do mundo, Douglas McMillion, a criticar Trump numa carta aos seus 1,5 milhões de colaboradores: "Enquanto víamos os acontecimentos e a resposta do Presidente Trump, sentimos que ele perdeu uma oportunidade única para ajudar a unir o nosso país, rejeitando as acções chocantes dos supremacistas brancos." No Washington Post, Dana Milbank escreve: "Da Trump Tower assistimos ao Presidente dos EUA a declarar que os que protestam contra os nazis são… iguais aos nazis. (…) O nacionalista que se tornou conselheiro Stephen K. Bannon costumava dizer que a sua publicação, a Breitbart, era uma plataforma para a 'alt-right', um eufemismo para os nacionalistas brancos e para os extremistas de direita. Mas agora há uma nova plataforma para a 'alt-right' na América: a Casa Branca. Parece-se cada vez mais como a Casa Branca Nacionalista."

Indiferente a isto, Kit Harington, o actor que faz de Jon Snow em "A Guerra dos Tronos", diz: "O mundo actual é mais maquiavélico do que 'A Guerra dos Tronos'." E acrescenta: "Neste ano, Jon Snow transformou-se num político. É um homem com uma missão. Também ele começa a manipular as pessoas. Mas faz isso ao estilo de Jon Snow." Será que Trump vê "A Guerra dos Tronos"?


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nin 17.08.2017

Nas imagens pode ver-se que a marcha nazi, por mais repugnante que fosse, corria pacificamente, até aparecerem os caras-tapadas do Antifa a bater em todos. Mas isso o Sr. Sobral não menciona. O Antifa é um legado de Obama, enquanto os supremacistas andam nisto há décadas. Antifa = KKK.

Anónimo 17.08.2017

Os supremacismos branco, preto, amarelo, cristão, islâmico, hetero, gay, étnicos, ràcicos,etc. são de facto idiotices humanas. Mas a violência está presente em todos e deve ser condenada em todos eles sem reservas mentais. Não se pode odiar Hitler e desculpar Staline.

Pedro Costa 17.08.2017

Esquerdista de merda, qual é o problema de ele ser de direita? Já não suporto estes jornalecos com complexos

Saber mais e Alertas
pub