Fernando  Sobral
Fernando Sobral 19 de dezembro de 2016 às 00:01

Os deuses da Grécia

Despojada das suas velhas glórias (ser o farol da democracia ou o exemplo máximo da ética e da moral), a Europa passa a vida a apresentar queixas e culpados diferentes para os seus erros.

Julga-se uma deusa intocável e transformou o euro numa fé inquestionável. Por isso quem ofende os deuses de Bruxelas ou Berlim parece estar condenado às trevas eternas. É o caso da Grécia. A última reunião do Eurogrupo foi inspirada na história helénica. O tambor do "justiceiro" Wolfgang Schäuble voltou a ecoar. De fora escutou-se o FMI a pedir mais austeridade a um país anémico. Tudo porque Alexis Tsipras julgou poder retribuir algum esforço aos reformados gregos com um bónus neste Natal e supôs que era legítimo não aumentar o IVA nas ilhas do mar Egeu que têm carregado aos ombros o peso de receberem milhares de refugiados. Nada disso importa para as cegas e surdas autoridades de Berlim e Bruxelas.

Tal como os seus antecessores históricos, Tsipras está condenado para sempre. Prometeu foi acorrentado no cume do monte Cáucaso para que uma águia dilacerasse o seu fígado durante 30 mil anos. Sísifo teve de empurrar uma roda (que voltava sempre ao ponto de partida) até ao cume de uma montanha. As suas tarefas eram impossíveis. As de Tsipras também.

 

A Europa continua a alimentar alegremente os filhotes do populismo. A austeridade é um dogma, mesmo que isso implique a destruição económica e social e o surgimento dos extremismos políticos. Veremos como reagirá esta Europa esquizofrénica ao "boom" económico prometido por Donald Trump, contra a ideologia da pobreza e das "desvalorizações internas" que se tornaram o dogma de Bruxelas. E que tornaram a vida no Sul da Europa, a fronteira que tem filtrado e sido a trincheira da emigração que vem de África, um inferno. A Europa parece querer implodir por acção de quem se julga a voz dos deuses. É por isso que António Costa, sensatamente, não quer discutir agora a reestruturação da dívida. Com estes dirigentes, a conversa é de surdos. Até chegar Le Pen e Beppe Grillo.

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Correia 20.12.2016

Os gregos, em Africa, são como os Libaneses, não têm escrupulos nos negòcios, nem palavra, nem lealdade, sò lhes interessa o dinheiro, fàcil e o mais depressa possivel!!! Perguntem a quem jà viveu e trabalhou em Africa e verão as respostas. È "politicamente incorrecto", mas é a verdade. Luis Corre

surpreso 18.12.2016

Não podem gastar o dinheiro que pedincham e recebem barato,por causa geo-politica e os refugiados,como lhes apetece.Que vão aos mercados para saber