Fernando  Sobral
Fernando Sobral 26 de janeiro de 2017 às 20:05

Os dilemas da social-democracia

Ainda mal refeitos dos abalos que os primeiros dias da presidência de Donald Trump estão a causar, os europeus começam a ter de olhar para os desafios que se lhes apresentam em 2017.

O falhanço da ideologia da austeridade é claro. E o regresso do nacionalismo vem associado à insegurança económica e social. Fala-se muito das eleições em França e na Alemanha. Mas o primeiro grande desafio à solidez da União Europeia vem já em Março, com as eleições num país que é fundador da UE, a Holanda. 


O nervosismo já é visível: o primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, escreveu uma carta aberta aos seus cidadãos onde dizia que "algo está errado com o nosso país", acrescentando que "a maioria silenciosa" não vai tolerar emigrantes que cheguem para "abusar da nossa liberdade". Rutte lidera o Partido do Povo para a Liberdade e Democracia, de centro-direita, e a carta surge quando a extema-direita do Partido da Liberdade de Geert Wilders aparece como favorito nas eleições. Wilders é um defensor da "retirada" da UE. Imagine-se se ganhar.

 

Esta confusão no centro-direita, que se radicaliza para tentar recuperar votos da extrema-direita, afecta outros sectores. Sobretudo o anémico bloco socialista e social-democrata, que como se vai vendo, não só não conseguiu ser o contraponto na Europa à hegemonia ideológica alemã e neoliberal de Bruxelas, como se tornou num instrumento dessas políticas, perdendo aí a sua diferenciação social, política e económica. Basta olhar para o triste espectáculo do PSOE em Espanha e fragmentação do PS francês depois dos anos miseráveis da liderança de François Hollande.

Portugal só não está nessa posição devido ao brilhantismo táctico de António Costa. Seja como for, o bloco socialista/social-democrata assiste à destruição paulatina do Estado social e à pulverização e resignação social (que Passos Coelho desenvolveu em Portugal com os resultados que hoje se podem observar fora das elites lisboetas). Manuel Valls, em França, identificou-se com uma política de austeridade e de cortes sociais e laborais que não o diferenciaram muito de um governo mais à direita. A história do "não há alternativas" condenou os socialistas europeus a um vazio ideológico onde se afundaram com convicção.

 

A ideologia da austeridade e a política de oferta (flexibilização laboral e orçamentos equilibrados) juntou-se ao fim das políticas de escape, como a flexibilidade cambial, o que deixou poucas margens para fazer políticas "à esquerda". Com o euro como garrote e a aversão dos alemães a liberdades fiscais, a esquerda socialista perdeu a sua autonomia política.

Confrontado com a vontade de Trump de destroçar a UE como bloco económico e com a vontade interna dos partidos mais radicais de fazer implodir o poder de Bruxelas, não se vislumbra um discurso alternativo do socialismo/social-democracia europeia a esta miséria austeritária que se tornou a ideologia reinante na Europa. Porque interessa à Alemanha. Vivemos tempos de insegurança e de extremismo. E, no fundo, isso é cíclico nas sociedades. Só não o vê quem está distraído. Como os sociais-democratas europeus.

 

Grande repórter

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Em defesa da Alemanha Há 3 semanas

Se é bom para a Alemanha também é bom para Portugal , não te esqueças que a URSS acabou em 1991

Anónimo Há 3 semanas

Vá e não volte que não faz cá falta nenhuma... Anónimo reacionário... O texto é isento e dá que pensar... coisa que a direitalha PaFalida detesta... temos pena !

Anónimo Há 3 semanas

Vim aqui mas vou já embora. Este espaço tresanda a fedor syrizento e comuna. Livra!!!!

Anónimo Há 3 semanas

PARABÉNS SOBRAL SEMPRE DISSE QUE MERKEL HAVIA DE ENGOLIR A MERDA AUSTERITÁRIA QUE INVENTOU PARA Q UM PAÍS CRESÇA. INFELIZMENTE TIVEMOS UM IMBECIL, BURRO E INEPTO NA GOVERNAÇÃO COMO O FOI PASSOS E SE NÃO FOSSE COSTA HOJE JÁ NÃO HAVIA PENSÕES POR SABUJICE PASSOS DEVIA SER JULGADO E PRESO PELO PAÍS.