Fernando  Sobral
Fernando Sobral 24 de agosto de 2017 às 09:55

Os grandes desafios que se colocam a Barcelona

Depois do atentado de Barcelona, e enquanto se debate o peso do turismo na cidade e o plebiscito sobre a independência, muitos pensam nos desafios que se colocam para o futuro.
No "El Mundo", Raúl Conde disserta: "Paris, Bruxelas, Londres, Berlim, Barcelona. As cidades converteram-se no principal objectivo do Estado Islâmico na Europa: representam espaços abertos, mestiços e democráticos. E galvanizam o estilo de vida ocidental, cimentado na pluralidade e na liberdade. (…) Defender a cidade é hoje, quase como sempre, defender a civilização". Já Lluís Bassets, no "El País", escreve: "Por mais que se queira olhar ao outro lado, o encontro com o terror afecta dois dos debates que mais polarizaram a sociedade espanhola nos últimos meses, como são as funções da polícia autónoma e o modelo turístico que convém a Barcelona. O terrorismo de massas, feito para erodir os valores e a convivência, está a transformar-se numa rotina nas sociedades europeias. A época da frivolidade acabou. Agora sim o mundo observa-nos, para saber o que faremos dessa Barcelona massacrada por este ataque selvagem, que quer empobrecê-la e destruí-la como cidade solidária, aberta e livre. Deixaremos que os terroristas interfiram e condicionem o debate sobre Barcelona, sobre a sua segurança e o seu turismo?"

Também Joan Topia, no "El Confidencial" reflecte sobre o tema: "Como vai reagir Barcelona e a Catalunha ao grande desafio do atentado terrorista? A primeira coisa a ter vem conta é que o turismo - não só o de férias - representa quase 15% do PIB da cidade. O prestígio da marca Barcelona construiu-se em grande parte através dos Jogos Olímpicos de 1992 e da sua mais recente designação como capital mundial do telemóvel. (…) A cidade deve fazer tudo para salvar a sua marca e o borrão do atentado não deve ser incrementado por outro tipo de conflitos como os recentes actos de protesto radical contra o turismo." Resta saber como fazer isso quando Madrid e Barcelona estão de costas voltadas.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Penso que está na hora de afastarmos as comunidades islâmicas. Elas não aceitarão o nosso modo de viver e pensar. Se olharmos só para a economia, então teremos de admitir que vale tudo, desde que haja dinheiro, é isso que queremos? As culturas não estão à venda.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub