Celso  Filipe
Celso Filipe 21 de junho de 2017 às 09:47

Os incêndios e a idade dos porquês?

Os incêndios continuam a marcar, de forma indelével, a actualidade nacional. Depois do espanto da tragédia, as opiniões confluem agora para a necessidade de obter respostas. Há inquietação. Muita inquietação.

No Diário de Notícias, Pedro Tadeu formula perguntas. "Porque é que nas florestas das celuloses quase não há incêndios? Porque é que Portugal é o país europeu com maior número de incêndios por mil habitantes? Porque é que tem de morrer gente nos incêndios florestais em Portugal. Porque é que... Não, não podemos parar de fazer perguntas, muitas perguntas".

João Miguel Tavares, no Público, também opina sobre o tema de forma interrogativa. "A pergunta que me interessa ver respondida: que dimensão precisa de ter uma tragédia para mudar o rumo do país?" Paulo Rangel, no mesmo jornal, deixa uma exigência: "É necessário garantir sem reservas que o apuramento das responsabilidades de todo o tipo vai fazer-se na primeira oportunidade." Também no Público, David Dinis, enumera as sete perguntas que o jornal vai repetir até obter respostas. Entre elas, quatro sobre Pedrógão. "O que aconteceu realmente no terreno? A coordenação existiu? Quem deu ordem para fechar estradas? Quando foi accionado o plano de emergência?"

No Jornal de Notícias, prossegue a onda de perguntas. "Como foi possível a morte de 47 cidadãos numa estrada aparentemente esquecida no furacão do fogo, e centenas de pessoas sós a combater as chamas e o medo de ser engolidas por elas?", questiona Paula Ferreira. Nuno Garoupa, no DN, ensaia uma síntese. "Agora são dias de luto. Depois teremos o tempo de apuramento das responsabilidades. Sem confundir culpa e responsabilidade. Sem confundir apuramento de responsabilidades políticas e demissão/culpabilização da actual ministra (que, inevitavelmente, terá de ser substituída)."
A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Amado Há 5 dias

BOA TARDE !
À POPULAÇÃO DOS CONCELHOS DE PEDRÓGÃO, FIGUEIRÓ DOS VINHOS E CASTANHEIRA DE PÊRA E SUA "GOVERNANCE" : Venho por este meio expressar as mais sentidas condolências aos familiares das vítimas que, faleceram num dos mais violentos incêndios de que me recordo...

Camponio da beira Há 5 dias

Quem anda a facturar nos incendios ? Não é um cadastrado por corrupção de nome domingos névoa? NOTICIA:"Domingos Néboa comprou everjets dias antes da assinatura de..." nada acontece por acaso, tudo foi programado.pesquisen no google o que escrevi

Mr.Tuga Há 5 dias

O habitual bla, bla, bla, bla, bla, bla tuguês......
Com o regresso da chuva já todos esqueceram e ficam tudo na gaveta com acontece com os estudos e relatórios na AR....
Entretanto o tuga vai lançar foguetes, beatas e fazer churrasco no parque!
Vemo-nos em 2018 no outro enorme incêndio....