Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 11 de outubro de 2017 às 19:56

Os resultados são bons para as acções. Mas só de alguns  

A apresentação de resultados tende a ser um evento bastante aguardado pelos investidores, com impacto na evolução das acções.

Independentemente de os números serem bons ou maus, interessa sobretudo perceber se superaram ou ficaram aquém das estimativas dos analistas. Numa semana com a agenda cheia em termos de divulgação de resultados de grandes bancos nos EUA, os investidores aguardam com expectativa as contas relativas ao terceiro trimestre. Tendo em conta as últimas "earnings season", os bancos poderão surpreender pela positiva, suportando ganhos adicionais no sector. Mas há casos em que a reacção é mais vincada do que noutros. De acordo com uma análise da Bloomberg, as acções do JPMorgan e do Wells Fargo tendem a apresentar desempenhos superiores às dos rivais Bank of America ou Citigroup. No caso do JPMorgan, as acções subiram, desde 2016, uma média diária de 1,84% nos 10 dias seguintes à divulgação de resultados, um comportamento superado pelo Wells Fargo, que subiu, em média, 1,99% nas 10 sessões após a apresentação de contas. Olhando para o Citigroup e para o Bank of America, as subidas ficam-se por 0,06% e 0,63%. Parece que uns são filhos e outros enteados.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar