Álvaro Nascimento
Álvaro Nascimento 02 de Janeiro de 2017 às 19:31

Paradoxos e ambiguidades!

Como as taxas de juro do sector privado estão ancoradas na dívida pública, o actual estado de coisas também não ajuda à competitividade das empresas portuguesas, inibindo-as de se financiar tão vantajosamente quanto as concorrentes europeias.

A FRASE...

 

"Dívida portuguesa teve um dos piores desempenhos do mundo em 2016."

 

Rui Barroso, Jornal de Negócios, 30 de Dezembro de 2016

 

A ANÁLISE...

 

Não obstante as notícias positivas sobre as contas externas, o emprego e o cumprimento da meta para o défice orçamental, as taxas de juro para Portugal mantêm-se altas. Paradoxal? Nem tanto. Talvez antes ambiguidades sobre o desempenho da economia!

 

No espaço de um ano o rendimento implícito das Obrigações do Tesouro Português a 10 anos aumentou mais de 125 pontos base (1,25 pontos percentuais), contrastando com a queda de 120 pontos na Grécia e de 50 na Alemanha e em Espanha. A evolução traduz o agravamento do risco de crédito, que se encontra próximo dos 3,75%, relativamente à Alemanha. Na Zona Euro, apenas Itália regista um comportamento semelhante, ainda que bem mais modesto: tem o prémio de risco pouco acima de 1,5%.

 

A divergência de comportamento entre os mercados financeiros e a economia real (i.e., as contas externas e o saldo orçamental) encontra justificação nas dinâmicas de longo prazo das variáveis económicas. As elevadas taxas de juro reflectem a precariedade dos equilíbrios alcançados. Sem alterações de fundo, têm sido os factores conjunturais - e.g., o turismo - a explicar o bom desempenho da produção, do emprego e das contas púbicas: isto é, a volatilidade, a que alguns chamam de nova normal.

 

Ameaças estruturais - como a elevada despesa pública corrente, a par com a reduzida margem para aumentar impostos - podem bem ser a explicação para o paradoxo aparente: um acontecimento estatístico extraordinário de sinal positivo. Não existindo garantia de sustentabilidade das contas públicas (e do Estado Social), as taxas de juro das OT as 10 anos reflectem simplesmente o risco de insuficiência de receitas a prazo.

 

Como as taxas de juro do sector privado estão ancoradas na dívida pública, o actual estado de coisas também não ajuda à competitividade das empresas portuguesas, inibindo-as de se financiar tão vantajosamente quanto as concorrentes europeias. Nesta nova normalidade de sinais ambíguos, uma coisa é certa, para elas as exigências de inovação e de produtividade pesam cada vez mais.

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar