Fernando  Sobral
Fernando Sobral 02 de julho de 2017 às 19:13

Passos, um homem só

Invocar suicídios (fictícios, no caso), para tirar dividendos políticos, é o grau zero da política. Já nem é política.

Num dos melhores momentos de "Sim, sr. Primeiro-ministro", Humphrey e Hacker tentam decidir o que fazer a uma personagem pública. Diz Humphrey: "Dê-lhe algo importante. Pelo que é que ele se interessa? Pela televisão?" Responde Hacker: "Ele nem sequer tem televisor." E Humphrey propõe: "Óptimo. Faça dele governador da BBC." Em Portugal muitos cargos públicos também se decidem assim. Talvez por isso, como neste lamentável "reality show" pós-incêndios em que se tenta descobrir um culpado para ser incinerado em praça pública para que as consciências pesadas durmam tranquilas, se perceba melhor parte da raiz do problema. Como se não bastasse, e tivesse havido um conluio de Hacker e Humphrey, Pedro Passos Coelho, à falta de melhor cargo, viu-se entronizado como líder do PSD. Azar o dos social-democratas que vão assistindo, como voluntários de uma carga da brigada ligeira, ao lento suicídio de alguém que gostaria de ser lembrado como salvador da pátria. É um folhetim triste e escusado.

 

Não tendo podido ser escolhido para administrador da RTP, talvez porque veja televisão e goste de aparecer nela, Passos Coelho decidiu utilizar como munições os eventuais suicídios de quem foi afectado pelos incêndios de Pedrógão Grande. Fez eco de um sussurro de alguém que quer ser líder autárquico pelo PSD na localidade e que acumula isso com o cargo de dirigente da Misericórdia local, o que nos diz muito sobre os jogos políticos neste país. Este, que se sabia, não se demitiu pelo que disse a Passos Coelho. E este pediu desculpa. Só que isso não apaga esta lógica de "far-west" que se instalou na política nacional. Passos Coelho, se tivesse tento na língua e sensatez política, não levantava um tema que se pode sempre virar, como um "boomerang", contra ele. Invocar suicídios (fictícios, no caso), para tirar dividendos políticos, é o grau zero da política. Já nem é política. É a guerra civil do "Facebook", onde todos insultam todos, transformada em pretenso discurso iluminado. Depois disto, Passos Coelho está só. Irremediavelmente só.

 

Grande repórter

A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 02.07.2017

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal. As pessoas mais desatentas ou distraídas deviam ter consciência disto. Cabe a órgãos de comunicação social como o Jornal de Negócios, de forma pedagógica, a facilitação dessa informação verídica e oportuna à luz dos desafios que Portugal e os portugueses enfrentam e dos quais muitos nem se apercebem. Foi lamentável o que aconteceu em Pedrógão Grande e em Tancos por causa do investimento público ter sido cortado pelo governo socialista para o nível mais reduzido desde 1960 para equilibrar contas públicas pressionadas pela patologicamente extensa e criminosamente hiperinflacionada folha salarial e de pensões do Estado. "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

comentários mais recentes
Anónimo 03.07.2017

O Coelho é um político tipo abutre: só se alimenta de podridão. Desde 2011, com a crise mundial e o chumbo do PEC IV para provocar a bancarrota - de modo a poder chegar ao poder - até aos suicídios, recorre sempre e só à podridão.

Anónimo 03.07.2017

Senhor jornaleiro do grau zero. Passos Coelho não foi feliz na sua comunicação. Logo de seguida e, depois de constatar o erro, pediu desculpa ao País. Não parece ter-lhe provocado grandes danos, ficando apenas um lapso, evitável, susceptível de ocorrer. O "Grau zero" é agarrar um deslize, montando "histórias", nas quais se ocupam narrativas, similares às que desenvolveu. Infelizmente assim vai o meu País. Tem uma comunicação social, com discutível independência (Vai-se lá saber porquê) ocupada na defesa de nomenclaturas ideológicas "assaltantes" e, vai-se também, lá sabendo porquê!!!

eheehhe 03.07.2017

Sozinho e miseravel

xxx 03.07.2017

Quem é que está a tentar a todo o custo aproveitar-se do suicídio? Passos, ou os Sobrais e Quadros da pocilga? Onde é que Sobral quer chegar? Os dirigentes das misericórdias não podem ter partido, ou incomoda-o que este não seja boy do seu? Tem partido, Sobral? Não devia escrever, certo? Certo?

ver mais comentários
pub