João Quadros
João Quadros 23 de junho de 2017 às 09:00

Pedrógão Enorme

É muito triste escrever sobre o tema desta semana. É triste e monótono. Incêndios em Portugal. Andamos há anos nisto. Gastámos milhões num tal de SIRESP que, em termos de comunicações, acabou por ser como o meu pai com o telemóvel. Dezasseis horas incontactável porque estava no modo silencioso.
Vamos ver o que é o SIRESP e sabemos que, na origem, foi adjudicado a uma holding do BPN. 17 de Junho de 2017 e morrem pessoas em incêndios e ouvimos falar no BPN. Os bancos fizeram-nos muito pior do que nós imaginamos. Por tudo o que tenho ouvido por aí, penso que aquele senhor redondo do SLB, o Pedro o Guerra, é que devia ir dirigir o SIRESP.

Para piorar tudo isto, a cobertura jornalística do incêndio mostrou que, além de reformular a floresta, precisamos de dar uma grande volta ao jornalismo. Estou tão farto de ver filmar pessoas a chorar que já não tenho sal no corpo e estou cansado de ouvir textos jornalísticos/poéticos que juntam lume com inferno e céu com penumbra de cinza. Vocês, jornalistas, estão a dar a notícia de um incêndio, não estão a fazer o prefácio de um livro do Chagas Freitas. Ainda nem fazem bem jornalismo e já querem ser escritores.

Não se filma, e entrevista, um homem que acabou de perder, carbonizados, a mulher e os filhos. Ele até pode responder às vossas perguntas, mas tanto falava para um microfone como para um sapato. Perguntar a uma pessoa desfeita como se sente depois de uma tragédia destas devia merecer uma tareia com um pau em brasa, dada pelos psicólogos, que deviam estar a evitar isto. Aliás, preocupa-me é que se mande para Pedrógão, no meio dos psicólogos, o Quintino Aires.

Aproveito para expressar aqui o meu ódio para com aquelas pessoas que vão "ver o fogo". As pessoas que vão ver o fogo... ui. A minha ideia era uma inundação em casa, até ao tecto, e filmada para eles verem quando voltassem de "ver os fogos."

A floresta em Portugal é o centro de mesa daquilo a que chamaram o arco da governação. É a personificação vegetal do centrão. Dos interesses e desinteresses.

Há tanta coisa para esclarecer, e vão ter de rolar cabeças, mas sabem por que é que muitas daquelas pessoas se safaram? Porque estão habituadas a andar 100 km para ter um médico, ficar sem água, etc. É uma luta, têm de improvisar. Aquilo é gente rija que não se queixa porque o metro está atrasado dez minutos ou porque fazem falta mais vinte estações. Viver um ano no interior abandonado de Portugal devia fazer parte do curso dos comandos.

Além dos interesses económicos, o interior vale meia dúzia de votos. Na verdade, se não fossem lá filmar os incêndios, nós nem dávamos pelo que tinha acontecido. Podiam arder aldeias que só saberíamos anos depois. Tirando a aldeia de Picha, que conhecemos porque gostamos de fazer trocadilhos, o resto não fazia parte dos nossos mapas. Estas pessoas que insistem em viver no interior são uma chatice. Aquilo já era para estar abandonado há anos. São uns teimosos. Tiram-lhes os médicos, os correios, as escolas, e elas insistem em viver ali. Chatas!

TOP 5
RESCALDO

1. Judite Sousa diz que a opinião pública acha que está tudo desorganizado

- e a opinião publica sobre ela? Nada.

 

2. Porto acusa Benfica de espiar telemóvel do presidente da FPF

- se me escutassem o telemóvel, só tinha vergonha das conversas com a minha mãe.

 

3. Nos dias 14 e 16 de Julho, realiza-se "Ananda Festival of Bliss"  - um evento sem álcool nem drogas e onde são esperados cerca de 150 participantes.

- bastava ter cerveja para serem esperados 1.500.

 

4. Jornal espanhol diz que incêndio em Pedrógão pode pôr em causa futuro de António Costa como PM

- eles não nos podem ver crescer mais que 2% que ficam chateados

 

5. Direcção de Informação responde à ERC e diz que "não recebe lições de ninguém"

- eu espero é que nenhum candidato a jornalista tenha lições com a Judite.



A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Digamos que sou sua fã (sem ser fanática). O que acabou de descrever releva, em parte, tudo o que tem acontecido relativamente a Pedrogão Grande (convém dizer que é Grande, pelos motivos óbvios, e porque há um Pedrogão que é praia). Fiquei estarrecida quando informou que o SIRESP acaba por ser BPN.

André Ruivo Há 3 semanas

É de realçar o facto de o comentário mais votado pertencer a um anónimo. Quem deseja insultar deve pelo menos assumir a identidade. Se não, é só mais um cobardolas a grunhir baboseiras.

Anónimo Há 3 semanas

A geringonça tem as mãos manchadas de sangue. A excessiva e injustificável folha salarial e pensionista do sector público, inexplicavelmente isenta de um sistema de mobilidade especial e despedimento na óptica das melhores práticas internacionais de gestão de recursos humanos, é responsável por num país de incêndios florestais graves todos os Verões, não se fazerem limpezas de segurança junto a vias de comunicação e aglomerados populacionais, nem existirem meios aéreos adequados de combate aos fogos.

Rui Sousa Há 3 semanas

A Policia Judiciária enganou os Portugueses ao informar que a origem do incêndio foi um relâmpago das trovoadas secas. Cerca da 14:00 horas teve inicio o grande incêndio e as trovoadas secas só tiveram inicio ao fim da tarde. A PJ demonstrou preguiça em ir ao local investigar. Vergonha para PJ.

ver mais comentários