António Moita
António Moita 14 de janeiro de 2018 às 18:45

Pena a ideia não ter sido minha

Entrámos numa fase diferente da vida política nacional. Já ninguém é fiel a nada. São as ideologias, os valores, as regras, os compromissos, os passados ou os traços de personalidade que nos vão dando a oportunidade de ir confiando nas pessoas que nos governam.

Como tudo isto é posto em causa diariamente, já vai sendo difícil confiar em alguém.

 

A credibilidade necessária para conquistar a confiança de alguém pressupõe verdade e consistência. É difícil de conseguir e normalmente leva tempo. Não nasce do dia para a noite.

 

Em Portugal, vivemos a vertigem do imediato, do "soundbite", da notícia do jornal. Vendo o que se tem passado, pergunto-me que mais será necessário fazer para nos afastar da participação cívica e política.

 

A disputa interna para a liderança do PSD em que candidatos antigos desdizem sem pudor o passado, negam evidências, assentam o seu discurso nas falhas dos outros e não apresentam uma ideia alternativa para o futuro coletivo. A verificação pelos jornais (ou por denúncias) de falhas de supervisão e controlo do dinheiro público e de abusos de toda a espécie na banca ou em instituições de solidariedade social sem que ninguém assuma a responsabilidade política. A discussão na praça pública da continuidade da PGR, fragilizando a titular do cargo e infligindo um dano ainda não quantificável na débil máquina judiciária numa "vendetta" indecorosa que visa satisfazer aqueles que foram recentemente investigados, acusados ou condenados.

 

O novo líder do PSD agora eleito terá de se transfigurar e seguir um único caminho. Estreito, mas apesar de tudo possível. Arrumar (será melhor dizer limpar) a casa, afirmar um rumo, apresentar uma alternativa, incentivar o surgimento de novos atores, inovar na forma e no conteúdo. Em suma, propor uma nova, simples e motivadora ideia para Portugal. Talvez assim António Costa, no final de 2019, repita o que disse a propósito da aberração do investimento da Santa Casa no Montepio - "Pena a ideia não ter sido minha."

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Mr.Tuga 15.01.2018

Certo!

Por isso, ha muito, deitei a toalha ao chão por esta pocilga pestilenta e mal frequentada....