António Moita
António Moita 26 de novembro de 2017 às 19:30

Perder? Nem a feijões

Farto que deve estar dos seus exigentes e teimosos parceiros de coligação, António Costa já percebeu que a campanha eleitoral para as legislativas de 2019 começou agora. Bloco de Esquerda e PCP só pensam nisso e ele não quer deixar o PS ficar para trás.

Não tenho nenhum problema de princípio com a deslocação do Infarmed ou de outro serviço do Estado para o Porto ou para qualquer outra cidade portuguesa. Penso até que a reforma do Estado que nunca mais chega deveria considerar este tipo de medidas valorizando outras cidades que não Lisboa e permitindo que esta liberte espaços para outras valências.

 

A forma como o Governo anunciou uma decisão que envolve diretamente centenas de pessoas é bem o sinal da única preocupação que faz mover António Costa: a comunicação. Este primeiro-ministro nunca perde e, qual Lavoisier, tudo consegue transformar.

 

No dia em que a Agência Europeia do Medicamento decide escolher outro destino, coisa que toda a gente ligada ao processo sabia perfeitamente que iria acontecer, Costa aparece logo a dar um prémio de consolação não fosse alguém dizer que o Governo não tinha feito tudo pela candidatura do Porto.

 

Farto que deve estar dos seus exigentes e teimosos parceiros de coligação, António Costa já percebeu que a campanha eleitoral para as legislativas de 2019 começou agora. Bloco de Esquerda e PCP só pensam nisso e ele não quer deixar o PS ficar para trás.

 

Mais importante do que apurar a justeza e a necessidade das medidas que toma, o que interessa é saber quantos votos elas irão render. Que importa o que pensam os funcionários do Infarmed se a grande maioria dos portuenses acha que finalmente alguém os ouviu e se preocupou com eles?

 

E nem quando diz que não é possível dar tudo a todos António Costa deixa de pensar na aritmética eleitoral. O que houver para distribuir, que certamente não será muito, estará destinado a quem souber retribuir a atenção. Desenganem-se os fiéis seguidores de Catarina e Jerónimo. Não será para eles que vai o bocado. Este, como diz o povo, está guardado para quem o há de comer. Tal como aconteceu no dia 4 de outubro de 2015, dia da sua derrota eleitoral, António Costa já mostrou que nem mesmo a feijões aceita perder.

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Certo!
O Toine Bosta "ganha", mas cá o burgo PERDE !!!!!!!!!!!!!!!! E MUITO!