Raquel Godinho
Raquel Godinho 15 de novembro de 2017 às 20:00

Podem as PME desaparecer do universo de investimento?

A 3 de Janeiro entra em vigor a nova directiva para os mercados financeiros (DMIF II). As alterações serão profundas nas rotinas dos vários agentes de mercados. E muitos têm sido os alertas deixados nos últimos meses.

O último foi do Toscafund Asset Management. Segundo a Bloomberg, o fundo de cobertura de risco ("hedge fund") britânico escreveu uma carta a cerca de 30 pequenas e médias empresas. Neste documento, apelava a que pagassem pelo "research" das suas próprias acções ou, de outro modo, corriam o risco de ser abandonadas pela comunidade de investimento. É que uma das principais alterações que a directiva vai trazer é que o serviço de recebimento de "research" por parte dos intermediários financeiros terá de passar a ser pago, de modo a evitar situações de conflitos de interesse. "O impacto da DMIF II nas PME cotadas tem potencial para ser devastador se a cobertura independente de 'research' parar ou diminuir significativamente", referia a carta. Segundo o fundo, perder a cobertura dos analistas vai resultar numa "falta de liquidez nas acções e desencorajar os investidores de investir". Estarão estas empresas dispostas a suportar este custo? E terão capacidade para o fazer? É uma questão de pesar os prós e os contras.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar