Sandra Clemente
Sandra Clemente 12 de Outubro de 2016 às 20:45

Política para além da verdade

O governo, na sua grande parte obreiro do resgate de 2011, sabendo obviamente que não acabou com a austeridade e que isso já é evidente, resolveu dramatizar o discurso.

Confrontado com o perdão fiscal que antes demonizou e agora vai fazer pela evidente falta de dinheiro, ou com o adiamento do fim da sobretaxa do IRS para todos que deveria acontecer em Janeiro; com o novo imposto sobre imóveis que afinal pode não ser já a partir de 1 milhão de euros mas de 250 mil para as empresas, 500 mil para pessoas singulares e 1 milhão para casais, tendo assegurado, há 4 dias, não estar previsto qualquer tipo de aumento de tributação sobre as empresas no próximo ano e ter como objetivo a estabilidade do quadro fiscal; ou com os maus resultados económicos e do investimento, ou com a rutura na saúde e o retrocesso na educação, decidiu que a verdade tem uma importância secundária e que a única maneira de disfarçar a sua própria incompetência é reforçando os preconceitos contra a oposição.

 

Vai daí o primeiro ministro decidiu apelar aos sentimentos e ignorar os factos numa permanente campanha, diga-se que um trend no discurso político populista pelo mundo fora. E, cada vez que lhe falam nos resultados que não está a conseguir, diz que está a repor a normalidade em Portugal, ou que Portugal já "não é um país em estado de sítio" ou, na versão Galamba, que acabou a guerra civil criada pelo anterior governo. O país viveu momentos dificílimos, mas não viveu assim. E, no meio desses tempos, foi atrás da credibilidade internacional que perdeu e ganhou-a de volta, baixando o défice de mais de 10% em 2009 para menos de 3%, ou à volta de 3%, em 2015. Que agora o único resultado factual que o governo apresenta seja que "pela primeira vez em 42 anos Portugal terá um défice abaixo dos 3%" é bom mas era suposto, continuando o esforço a ser enorme. Para além disso é importante saber, como mostraram os confrontos entre os taxistas e a uber esta semana, qual é o plano que tem para o país nesta economia em mudança.

 

Jurista

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Univ Há 3 semanas

Afinal os taxis também já têm uma App de nível mundial, igual à da uber e 100% portuguesa. Segundo os engenheiros portugueses, a mesma tem mais funcionalidades e conta também com direito a avaliação (5 Estrelas) e comentários no final de cada corrida ( www.taxi-link.com ).

Anónimo Há 3 semanas

COMENTÁRIO MAIS VOTADO
Professor Doutor Camilo Burro Jumento Lourenço [Leitor não registado] 12 Outubro 2016 - 22:04
Só se pode ler três linhas?

Professor Doutor Camilo Burro Jumento Lourenço Há 3 semanas

Só se pode ler três linhas?

Anónimo Há 3 semanas

COMENTÁRIO MAIS VOTADO
surpreso [Leitor não registado] 21:39
o k é k o governo actual tem a ver com o resgate de 2011?

ver mais comentários