Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 15 de abril de 2012 às 23:30

Por que se mente tanto na Segurança Social?

A semana passada trouxe um congelamento das reformas antecipadas e a certeza de que vêem aí mais mudanças, duras, no sistema de pensões.
A semana passada trouxe um congelamento das reformas antecipadas e a certeza de que vêem aí mais mudanças, duras, no sistema de pensões.

Surpresa? Não. Mesmo os que não percebem nada de Segurança Social assistiram nos últimos anos à proliferação de notícias sobre a (in) sustentabilidade do sistema. Sistema que segundo a reforma de 2007 deveria manter-se equilibrado até 2030 (a partir daí o défice seria coberto pelo fundo de capitalização).

Mas se a maioria dos portugueses duvida da sustentabilidade das pensões, o que leva os políticos a assobiarem para o lado (há pouco mais de um ano, Pedro Marques, o anterior Secretário de Estado, garantia no programa "A Cor do Dinheiro" que o sistema não entra em ruptura até 2030)? Falta de seriedade. Não há coragem para explicar que o equilíbrio não depende apenas da relação entre população activa (contribuintes) e beneficiários. Depende também de factores tão incontroláveis como o crescimento do PIB, desemprego, inflação...

Vamos ficar pelo PIB: a taxa média de crescimento da última década andou pelos 0,5%. Só isto chega para comprometer as fundações do edifício. Fora os disparates (eleitoralistas): em 2010, pela fórmula de cálculo, o valor das pensões teria de cair. O que fez o Governo? Mexeu na fórmula (DL 323 de 24/12/2009). Pena que não tenha dito quanto é que só essa medida afectou a sustentabilidade...

As pensões são aquela área onde os governantes deveriam ser mais sérios com os cidadãos. Porque está em causa a expectativa de terem uma vida digna (para isso descontaram durante a vida activa) quando um dia não puderem trabalhar. Esquecer isso pode dar mau resultado.


camilolourenco@gmail.com
A sua opinião40
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.04.2012

pois eu acho que o governo precisou de dinheiro e foi buscá-lo à Seg. Social tal como foi buscar os fundos de pensões da banca!!! é tão simples de perceber...

Rosa Guimarães 17.04.2012

Os políticos são uma espécie de animal aldrabão e vigarista que não merece um pingo de credibilidade. Alguns dos comentadores não passam dos seus acólitos.

rodrigo 17.04.2012

É por isto que eu acho que eu penso e que acredito que o futuro passa necessariam,ente acabar com a a classe politica que nÃo resolve problema nenhum, mas sim que cria todos os problemas. O povo está cansado de ser enganado....

Isabel 16.04.2012

As PENSÕES PÚBLICAS devem ser submetidas a um tecto máximo de 2000 euros ,por respeito para comn aqueles que recebem 230 euros/mês ,As reformas do sector privado tb devem submetidos a um plafonamento,embora de forma diferente do público! Está em causa o FUTURO dos nossos jovens que não têm culpa nenhuma da CORRUPÇÃO deste país! SEJAMOS SOLIDÁRIOS!

ver mais comentários