Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 19 de abril de 2012 às 23:30

Porque Passos não devia hostilizar a UGT

Pouca gente percebeu o porquê dos ataques violentos à UGT quando a central sindical anunciou que iria assinar o pacto social. A começar pelo próprio Governo...
Pouca gente percebeu o porquê dos ataques violentos à UGT quando a central sindical anunciou que iria assinar o pacto social. A começar pelo próprio Governo...

Na altura, recorde-se, o PC e a CGTP, a sua correia de transmissão (coadjuvados pelo Bloco de Esquerda), atiraram-se à UGT, acusando-a de retirar direitos aos trabalhadores. A violência foi tal que o próprio João Proença teve dificuldade em lidar com a pressão.

A estratégia era clara: encostar Proença à parede, tentando condicionar a sua acção futura. Proença, que não é ingénuo, percebeu a jogada. E na primeira oportunidade que teve sacudiu a pressão: esta semana ameaçou o Governo que se não tomasse medidas para apoiar o crescimento rasgaria o acordo de concertação social.

Perante isto como reagiu o Governo? Passos Coelho, em Londres (note-se!), fez o que nunca deveria ter feito: atribuiu a agressividade da UGT à proximidade com o 1º de Maio....

Disparate. Grosso! Se há coisa que Proença não precisa agora é de ficar isolado na arena. Sem possibilidade de recuo. Tudo o que o primeiro-ministro devia ter feito, ao ser confrontado com a reacção de Proença, era dizer: "Nada mudou. Vamos continuar a trabalhar com a UGT para criar um clima de paz laboral, que nos distinga de outros países. Sem paz social não há investimento e sem investimento não se criam postos de trabalho". Ponto final: nem mais uma palavra.

Talvez seja altura de Passos Coelho perceber que um pouco de comedimento verbal (à la Álvaro Santos Pereira) só lhe fará bem. A ele e ao Governo.



P.S. - As forças policiais ainda não perceberam que há grupos dispostos a armar confusão. Para criar instabilidade social. É pena...
A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetaok5rld 19.11.2016

http://canadianpharmacyviagra.trade/ - canadian pharmacy viagra http://vpxl.red/ - vpxl http://buy-provera.space/ - provera

asCetajnh60s 11.11.2016

http://citalopram-online.us/ - citalopram online http://tenormin-online.gdn/ - tenormin online http://buyhydrochlorothiazide.red/ - order hydrochlorothiazide http://lipator.trade/ - lipator http://augmentin500mg.site/ - augmentin 500 mg

asCetaecms7u 06.11.2016

http://acomplia-online.science/ - acomplia online http://buy-cytotec.red/ - buy cytotec http://generic-celexa.us/ - generic celexa http://lisinoprilhctz.link/ - lisinopril hctz http://zofran4mg.party/ - zofran http://prednisoneonline.click/ - prednisone on line

vitor 24.04.2012

Já nem os sindicatos servem para nada...nem nos subsídios da função pública falam...Temos de acabar de vez com estas Politicas que estão a levar os portugueses à ruína. É tempo de nos unirmos e todos juntos começar a exigir a reposição dos nossos direitos:

Vamos começar por assinar e divulgar esta petição, exigindo a reposição imediata dos subsídios de férias e de natal que nos foram retirados de uma forma inconstitucional.

http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=201202

Copie o link para o seu browser, assine e divulgue.

ver mais comentários