Bruno Faria Lopes
Bruno Faria Lopes 05 de fevereiro de 2017 às 18:55

Portas giratórias no país da impunidade 

Luís Costa Ferreira saiu da liderança do departamento de supervisão prudencial do Banco de Portugal em 2014. Durante os dois anos e nove meses anteriores tinha sido primeiro director-adjunto e, depois, director do departamento.

A supervisão prudencial é, em traços largos, responsável por avaliar a idoneidade dos gestores dos bancos e por supervisionar a solvabilidade desses mesmos bancos. Costa Ferreira saiu meses depois da resolução do BES, um dossiê muito complexo e que expôs as fragilidades evidentes da supervisão do Banco de Portugal - as garantias sobre a saúde do banco dadas pelo governador Carlos Costa a semanas da resolução são um dos sinais mais eloquentes dessas fragilidades.

Não é exagero dizer que o director da supervisão prudencial que presidiu ao desastre do BES saiu do regulador pela porta pequena. Mas Costa Ferreira - que levou consigo Pedro Machado, director-adjunto do mesmo departamento de supervisão do Banco de Portugal - entrou no início de 2015 numa das principais sociedades de auditoria, a PwC, pela porta grande: como "partner". A PwC tinha sido precisamente a sociedade escolhida pelo Banco de Portugal para fazer a auditoria inicial ao Novo Banco.

Para preencher o lugar vago, o Banco de Portugal foi buscar um director de um regulado, o BCP, chamado Carlos Albuquerque. O Banco de Portugal justificou assim a opção: "O Dr. Carlos Albuquerque tem uma longa e reconhecida carreira no sector financeiro, exercendo actualmente funções de director no BCP." Sim: ter carreira na banca faz um bom regulador da banca. (A mexida na supervisão ficou completa com a saída do administrador com esse pelouro, Pedro Duarte Neves - e com a subsequente entrada de António Varela, saído meses antes de um cargo de administrador não-executivo do Banif, banco onde era depositante e investidor.)

Carlos Albuquerque ficou dois anos no lugar até que comunicou há dias a sua saída do regulador para ir, de novo, para um regulado: desta vez a Caixa Geral de Depósitos. Vai ser administrador executivo na equipa de Paulo Macedo. O Banco de Portugal informou que, "em aplicação das normas de conduta e das correspondentes normas europeias", "impôs" a Carlos Albuquerque um período de transição, que elegantemente designa de "cooling off" - Albuquerque vai arrefecer a memória para um "projecto externo de solidariedade social".

 

Com o lugar de novo vago, o Banco de Portugal anuncia então a contratação de Luís Costa Ferreira - o mesmo que saíra para a PwC e que aí liderou as relações da auditora com várias instituições financeiras suas clientes. Será ele o director de supervisão prudencial do Banco de Portugal a partir do dia 15 deste mês. A notícia, diz-se nos bastidores da corte lisboeta, surpreendeu muitas pessoas na instituição.

 

Toda esta sucessão de acontecimentos na banca e respectiva supervisão mereceu, pelo menos até à data em que escrevo este texto (final do dia de sexta-feira), pouca indignação pública e política. Não sendo uma surpresa total, nem uma originalidade da banca, o episódio revela com exuberância as fragilidades estruturais conhecidas: a cultura enraizada de desresponsabilização e impunidade; o trânsito constante entre reguladores e regulados; a "elite" muito pequena e construída com base em relações de confiança. Combater cada um destes atavismos - com exposição pública, com responsabilização política e social, com melhor gestão - é uma verdadeira reforma estrutural.

 

Jornalista da revista SÁBADO

A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SALAZAR Há 2 semanas

NO BANCO DE PORTUGAL ENTRA-SE POR CUNHA. NÃO É PRECISO DIZER MAIS NADA. BASTA VER OS MEDÍOCRES QUE LÁ "TRABALHAM" "FORMADOS" EM UNIVERSIDADES PRIVADAS COMO CATÓLICAS E OUTRAS MERDAS.

Anónimo Há 2 semanas

O que posso dizer?Nada , ou melhor alguma coisa, agora percebo porque o regulador não regula nada.Simplesmente vergonhoso.Os diversos governos assistem de camarote a esta pouca vergonha.Pobre do povo português.

Armindo Há 2 semanas

Coincidência...São todos apoiantes de passos e cristãs.

Anónimo Há 2 semanas

Tudo o que tem acontecido de mal deve-se à falta de JUSTIÇA. Se houvesse justiça não havia com certeza tanto corrupção. Esses ladrões devem sofrer até morrerem.

ver mais comentários