Tiago Marques
Tiago Marques 08 de janeiro de 2018 às 19:09

Portugal - o campeão na redução dos juros

Portugal tem sido o grande campeão da Zona Euro na redução dos juros da dívida soberana, com o mercado de dívida a reagir positivamente à atual situação económica do continente.

Os juros da dívida portuguesa emitida a 10 anos estiveram nos 3,7% no início de 2017 e acabaram o ano nos 1,85%, uma diferença de apenas 0,46% em relação aos juros da dívida espanhola que se situam em 1,39%.

 

O investimento em dívida portuguesa tem sido um dos que maior retorno têm dado aos investidores no mercado europeu da dívida, depois de as agências de notação S&P e Fitch, duas das três grandes agências de "rating", subirem a notação da dívida de "lixo" para um nível de investimento. A Fitch, a última agência a reavaliar a dívida do Estado, melhorou mesmo o "rating" da dívida de BB+ para o BBB, sendo esta, a primeira vez que uma agência de notação de dívida concede ao país uma atualização da notação em dois níveis. A atualização feita pelas duas agências coloca a dívida estatal no alvo da maioria dos fundos de investimento e dos índices de títulos de dívida pela primeira vez, em seis anos, aguçando o apetite pela compra de dívida e reforçando a tendência de descida da taxa de juro.

 

Em março, o ministro das Finanças afirmou que as três grandes agências de "rating" não tratavam o país de forma justa, ao manter a notação de lixo aplicada no auge da crise. Há três meses, Portugal dependia da notação da agência canadiana DBRS para se qualificar para o programa de compra de títulos do BCE e sentia uma pressão constante sempre que a agência agendava uma revisão do "rating". Agora será uma questão de tempo até a Moody's, que realiza a revisão da notação este mês (janeiro), seguir o mesmo caminho e retirar o país definitivamente do lixo.

 

O ministro das Finanças, que este mês assume o cargo de presidente do Eurogrupo, presidiu uma notável reviravolta na economia portuguesa nos dois últimos anos. Com o défice mais baixo das últimas quatro décadas e a taxa de desemprego a voltar a níveis de 2009, a equipa de António Costa conseguiu fugir à ameaça de sanções por défice excessivo por parte da Comissão Europeia, e colocou o país numa perspetiva de crescimento, que há pouco mais de dois anos não se imaginaria possível.

 

Existe, no entanto, uma questão que deve causar preocupação: o Banco Central Europeu anunciou que irá cortar o programa de compra de dívida de 60 mil milhões de euros mensais para metade e certos analistas preveem mesmo que este estímulo acabe por completo no final de 2018. Se o país não tivesse conseguido reduzir as taxas de juro e ficar em "boa forma" como está agora, o fim deste programa poderia ser um sério "turn-off" para os investidores e fazer subir em flecha as taxas de juro.

 

Esta reviravolta é, apesar de tudo, um feito histórico para um dos países mais afetados pela crise, cuja taxa de desemprego atingiu máximos de 17% em 2012. Esta "magnitude sem precedentes" da reavaliação da economia portuguesa pelas agências de notação de dívida acaba por ser um reconhecimento do controlo da despesa pública, da diminuição do desemprego e do fortalecimento do sistema bancário feito no último par de anos. Resta saber se os atuais aumentos da despesa pública são sustentáveis e se os esforços até agora feitos não cairão em "saco roto".

 

Membro do Nova Investment Club

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 1 semana

Portugal tem a segunda maior divida e quer mais.Um alcoólico ,encostado ao balcão ,ao qual se enfia mais bebida




Anónimo Há 1 semana

Os mercados estão a gostar da geringonça, é surpreendente mas só se compreende porque a coligação aplica um modelo económico ao estilo dos países nórdicos, onde os cidadãos estão em primeiro lugar. Falta no entanto, elevar o grau de exigência em relação à fuga ao fisco e à transparência do estado.

Anónimo Há 1 semana

Li transversalmente o artigo e fiquei surpreendido por não plasmar em euros a divida publica e estruturada.Sao abissais e toda a comunicação e comentadores ignoram encobrindo o que de mau tem a ação deste governo .Uma governação tem pontos positivos e negativos há que revela-los,o resto é enganar o