João Quadros
João Quadros 15 de setembro de 2017 às 09:15

Praxar a praxe

A praxe não tem lugar na universidade. Por alguma razão não existe uma cadeira de luta de cães, uma oral em arrotos, ou uma Universidade Zezé Camarinha. A praxe nunca devia ter saído dos quartéis.
"O caloiro é incondicionalmente servil, obediente e resignado"; "não é um ser racional"; "não goza de qualquer direito". As citações são retiradas de um "Manual de Sobrevivência do Caloiro" que está a ser distribuído, nos últimos dias, por alunos mais velhos aos novos estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP).

Todos os anos estamos nisto, na maldita praxe. Ainda não tenho filhos na universidade mas espero que, até lá, acabem com a desgraça deste "bullying" encartado. Mas, como já fazem praxe nas escolas secundárias, não sei se ainda vão a tempo - "Ai, Quadros, mas não queres que os teus filhos conheçam as praxes?" Vamos lá ver. Não quero que exista praxe, como não quero que exista a doença dos pezinhos ou o roubo por esticão. Nenhum pai quer que o filho experimente a doença dos pezinhos durante um mês. E deixo aqui o meu apoio a quem a tem.

Aqui há tempos, vi as imagens do filme "Praxis", e fiquei cheio de vontade de ver a minha filha ali agachada com um outro caloiro a fingir que a sodomiza, com um balão pelo meio, e um idiota de óculos escuros e cabelo rapado, de traje, a gritar: "Não é assim que se papa a caloira!" Foi por isso que eu andei a juntar dinheiro para ela ir para a universidade. Se ela não tem ido para a universidade, ainda acabava nalgum bar, a ter de ouvir cenas ordinárias, de uns machos. - "Ai, mas a praxe é uma lição de vida" - se achas isso é porque não sabes o que é a vida. - "Ai, mas a praxe integra" - Também a violação colectiva e uma betoneira com todos lá dentro.

A praxe não tem lugar na universidade. Por alguma razão não existe uma cadeira de luta de cães, uma oral em arrotos, ou uma Universidade Zezé Camarinha. A praxe tem valor de aprendizagem zero. A praxe nunca devia ter saído dos quartéis. Na tropa, onde a submissão tem de ser automática, faz sentido receber os novos com praxe para os integrar naquilo. Na universidade, devia ser o oposto. Deviam ensinar os caloiros a contestar, a evitar conclusões em rebanho, e a não andarem vestidos de escaravelhos. - "Mas um aluno pode dizer que não." E depois? Ninguém devia ter de dizer se quer, ou não, passar por aquilo dentro de uma universidade. É como haver uma disciplina de religião inca com bacanal com animais no pátio da escola, mas só para quem quer. - "Ai, Quadros, mas é tradição." Errado. Com excepção de Coimbra, e é discutível, não é tradição nenhuma. É tanto tradição como o cubo mágico, o ir à picanha, ou o "blockbuster".

"Como é possível que existam universidades onde um aluno tem de assinar um termo de responsabilidade para ser praxado, como se fosse para ser operado ao coração?! "Tens de assinar este termo de responsabilidade, caso me apeteça enfiar-te um hipopótamo e dois coalas pela uretra, e apareçam os donos a reclamar."

Acabem lá com isso.

TOP 5 CALOIROS

1. Comissão Nacional de Eleições não sabia do Sporting-FC Porto em dia de eleições
- Confirma-se: são pessoas chatas.

2. Juncker diz que "A Europa vai desde Espanha até à Bulgária" - É inadmissível que
o Juncker não saiba onde vive a Madonna.

3. "Portugal tem um clima ideal para cultivar canábis"
- E louro prensado.

3. Banca perdeu quase dois mil balcões desde o pico de 2011 - Mas agora são Padarias Portuguesas.

5. Governo vai proibir a realização de jogos de futebol em dias de eleições - Estou para ver o que a Galp acha disto.

A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 1 semana

Todavia, podemos ver a coisa pelo outro lado, o da preparação para o mundo do trabalho e das empresas: tendo a praxe uma matriz muito clara e saliente que é a de humilhar e espezinhar os de baixo e sabujar e lamber os ditos os de cima, de resto um tipo de atitude muito enraizado na cultura portuguesa que só teve um período de algum "distúrbio" após Abril de 1974, eu diria que pode ser uma boa preparação para o ambiente e cultura que esses indivíduos irão encontrar das empresas quando e se começarem a trabalhar.
É uma nota que aqui deixo para eventuais investigadores da psicologia social e da sociologia: tendo eu trabalhado até há ano e meio e dos últimos 10 anos tendo com colegas próximos maioritariamente indivíduos muitos mais novos do que eu, entre os 30 e os 40 e poucos anos, e, portanto, já formatados na escola - parque de diversões - depois de 1974, notei já nesses indivíduos talvez afloramentos do espírito da praxe: grande subserviência para os de cima; sobranceria para baixo.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

É o mesmo que falar mal de alguém sem o conhecer, no final não pode ser um juízo de valor fidedigno. Eu praxei e fui praxado. Curioso que os acidentes não acontecem onde esta é preservada o mais próximo da tradição. E nunca fiz nada que não quisesse, nem prejudiquei os meus estudos tão pouco.

Anónimo Há 1 semana

Quer isto dizer, que como este mal está tão enraizado nas Universidades, uma elevada percentagem dos licenciados neste pais são (e não esquecer que à mais de 20 anos que a maioria são mulheres) uns machos, humilhadores, lambe botas e descendentes de famílias ricas. E ainda falam de elevador social.

Anónimo Há 1 semana

Muito, mas muito bom!

JCG Há 1 semana

Por cá sempre se valorizou mais a exibição de um diploma do que as competências que tal diploma devia simplesmente certificar. Até há uns 50 anos atrás, só estudava após escola primária quem fosse filho de ricos ou lá perto. Havia uma forte associação entre a detenção de um diploma universitário e poder. Normalmente quem tinha um diploma tinha poder porque era oriundo de classes com poder. Um figurão chegava a qualquer guichet dizia-se doutor ou engenheiro e o pessoal tremia. Há uns 40 anos quando eu fui trabalhar para um banco ainda era assim. Sócrates deu um forte contributo para exponenciar este fenómeno com o programa e conceito das novas oportunidades, que, vê-se, foi propagado ao ensino superior. Veja-se a quantidade de figurões, incluindo Sócrates, que recorreu a atalhos para obter diplomas. Conhecimentos e competências? Isso é secundário. A bandalheira no ensino superior de que a praxes são um pilar mantém a filosofia. Alguém se incomoda com as competências dos diplomados?

ver mais comentários