Raquel Godinho
Raquel Godinho 02 de outubro de 2017 às 20:30

Quando as más notícias são boas para alguém

Este domingo ficou marcado por mais um tiroteio nos Estados Unidos. Deste lado do Atlântico, na segunda-feira, acordámos com a notícia de que 50 pessoas morreram e mais de 400 ficaram feridas com os disparos de um ataque que terá sido feito a partir de um hotel em Las Vegas.

Uma má notícia que levantou ondas de choque em todo o mundo. Mas, mesmo neste que já é considerado como o tiroteio mais mortífero dos Estados Unidos, há boas notícias para alguém. É até cruel fazer este raciocínio. Mas não é assim que pensam os mercados. As acções de algumas das maiores fabricantes de armas dos Estados Unidos registaram valorizações expressivas em Wall Street. A American Outdoor Brands (antes designada como Smith & Wesson) e a Sturm, Ruger & Co. valorizaram mais de 4%, na primeira sessão desta semana, segundo a Business Insider. Este é o comportamento habitual destas acções após este tipo de acontecimentos. Isto porque, sempre que há tiroteios, é retomado o debate em torno de um maior controlo de armas no país. E aumenta a especulação de que muitas pessoas possam comprar armas para se anteciparem a uma nova legislação. No mercado, há sempre quem ganhe, mesmo quando todos perdemos.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar