Fernando Ilharco
Fernando Ilharco 10 de agosto de 2017 às 20:20

Quando o bom humor é mau

Um estudo da Universidade do Missouri mostrou que a eficácia do humor do líder depende da qualidade das relações humanas na equipa de trabalho. Ou seja, o humor, em si mesmo, não é bom nem mau; é um amplificador.

O humor pode ser importante no ambiente profissional. O riso é um meio utilizado para olear o dia-a-dia. Há a tendência, muitas vezes inconsciente, de os profissionais se rirem do humor, ou das tentativas de ter graça, dos superiores hierárquicos, do chefe, do mandão do departamento, etc. É um comportamento expectável, que liga as pessoas e indica apoio. Os líderes formais ou informais tendem também a usar o humor para ganhar influência. Contam histórias e pequenos episódios com piada; o grupo ri-se, as pessoas sentem-se bem, o que é bom para o líder, para o grupo e para o trabalho. De algum modo, um líder que faz o seu grupo sentir-se bem é um bom líder.

 

Mas nem sempre uma boa piada ajuda. As coisas não são lineares. Nem sempre o bom humor é bom; nem sempre o mau humor é mau. Em geral, pensa-se que os líderes devem evitar zangar-se, que a má-disposição e a ironia deitam tudo a perder e que a boa-disposição faz milagres.

 

Um estudo da Universidade do Missouri mostrou que a eficácia do humor do líder depende da qualidade das relações humanas na equipa de trabalho. Ou seja, o humor, em si mesmo, não é bom nem mau; é um amplificador. Se a relação entre profissionais é boa, então o humor ajuda a satisfação no trabalho e a obter bons resultados.

 

"Em vez de usarem o humor para querer construir bons relacionamentos" - diz um dos investigadores -, "os líderes devem primeiro desenvolver boas relações, assentes na clareza, no tratamento justo e no diálogo". Nesse quadro o humor vai ter um bom impacto. O humor é importante, mas a boa relação humana está primeiro.

 

Professor na Universidade Católica Portuguesa

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ana 12.08.2017

É complicado haver bom humor no local de trabalho onde a maioria dos trabalhadores têm mau salário.

Anónimo 11.08.2017

Caro Negócios, convém elucidar o povo deste cantinho à beira mar plantado sobre o facto de cinco dos seis sistemas públicos de pensões do Reino Unido não terem dinheiro para pagar os benefícios que prometeram aos beneficiários ou que os beneficiários prometeram a si mesmos numa atitude que teve tanto de tresloucada como de presunçosa. E no UK as medidas que se impõem começam a ser tomadas... Cá a situação em nada é melhor. E reestruturar o sistema só quando aquele colapsar repentinamente deixando um penoso e desolado rasto de destruição em todos os sectores do Estado, da economia e da sociedade, tal como é hábito em terras lusas. "Five out of six of Britain’s “final salary” pension schemes do not have enough money to pay the pensions promised to workers, according to the latest official analysis of the £1.3 trillion sector." www.telegraph.co.uk/pensions-retirement/financial-planning/why-these-are-the-last-moments-of-britains-final-salary-pensions/