Luís Pais Antunes
Luís Pais Antunes 23 de novembro de 2017 às 09:45

Que país querem os portugueses?

As ideias inovadoras são, normalmente, um privilégio raro, ao alcance de um número limitado de pessoas. Poucas vezes são obra do acaso. Resultam, em regra, de um propósito bem definido, de muita reflexão e trabalho e, também, de muitas experiências falhadas.
Não tenho, nem nunca tive, a pretensão de "fabricar" ideias inovadoras, daquelas que "fazem a diferença", contribuem para o bem comum e nos levam a questionar "como é que ainda ninguém tinha pensado nisto?!".

No país do improviso e do "logo se vê" o melhor contributo para o nosso futuro coletivo é saber definir onde vamos querer estar daqui a 10 anos, o que temos de fazer para alcançar esses objetivos e aquilo que devemos evitar para não voltarmos a ser apanhados desprevenidos.

De pouco ou nada serve sermos inovadores e modernos, se não formos consistentes com os nossos propósitos.

Queremos ser um país com um nível mais elevado de educação e formação? Então temos de ser mais rigorosos e exigentes nos conteúdos que transmitimos, na avaliação do desempenho, na evolução das carreiras e no acesso às profissões.

Queremos atrair mais e melhor investimento? Então temos de abandonar uma política fiscal errática e desincentivadora do risco, que muda as regras ao sabor dos ventos e mina a confiança dos investidores nacionais e estrangeiros.

Queremos um Estado justo? Então temos de reformar a administração pública, premiar quem faz bem e penalizar quem não cumpre as suas obrigações e fazer o Estado responder com o mesmo grau de exigência que este impõe aos cidadãos.

Queremos serviços públicos de qualidade? Então temos de saber ser seletivos no respetivo financiamento, privilegiando a qualidade em vez da quantidade e regulando com muito maior transparência.

Queremos ter um país melhor e com mais futuro? Então temos de deixar de gastar mais do que aquilo que produzimos para satisfazer os de hoje, empurrando as sucessivas faturas para os que vêm a seguir.


Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico


No âmbito do 20º aniversário do Negócios, pedimos um artigo a várias personalidades sobre ideias para o futuro de Portugal.  


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Os tugas estã literalmente a CAGA* para o futuro....

Haja uns subsídios, tarifas sociais, fuitibois e chutadores de boila e comentadeiros de tv em horário nobre, voyaje da seLIXOão tebóis do hotel para estadio em directo na tv, cervejolas tremoços e "put+as e vinho verde"....

Anónimo Há 2 semanas

O meu caro Pais Antunes, mas acha que 99,9% dos portugueses faz alguma idéia do país que quer? Já reparou por acaso o que está a acontecer neste momento? As reivindicações de toda a função pública? e se estivessem lá aqueles que estão no privado? mudaria alguma coisa? não! O tuga acha que o estado é dos outros e. logo, é para sugar até ao tutano. A dívida? isso não é para pagar... vai-se ne/renegociando! E acha que temos políticos à altura do desafio? Os nossos políticos, como não podia deixar de ser, têm a mesma massa genética, e portanto... está tudo dito, não?. Eu deixo 0,01% e estou a referir-me àqueles que seriam capazes de fazer qualquer coisa, mas não se querem (e fazem muito bem) meter neste lamaçal português manhoso e corrupto.

pub