André  Veríssimo
André Veríssimo 29 de Novembro de 2016 às 07:00

Quem ganha e quem perde com a demissão de Domingues

Num caso sem vencedores, há quem saia por cima na polémica da Caixa e protagonistas que ficam fragilizados.
QUEM GANHA


CATARINA MARTINS

Coordenadora do BE

O Bloco esteve na linha da frente das críticas a António Domingues, exigindo desde a primeira hora a entrega das declarações de rendimentos. Foi decisivo para viabilizar na AR o diploma que obriga, sem sombra para dúvidas, os gestores da Caixa a divulgarem os rendimentos. A saída do presidente da CGD é uma vitória política para o BE, que com este processo ainda marcou fronteiras para o PS.


PEDRO PASSOS COELHO
Presidente do PSD

O PSD é o principal responsável pelo ruído à volta da Caixa e pelo desgaste da nova administração. Sem conseguir arranjar outros a que se agarrar, fez deste o seu cavalo de batalha nas últimas semanas. Criticável no excesso, no fim o ataque rendeu dividendos. A demissão de António Domingues é uma derrota do Governo e, portanto, uma vitória, mesmo que pírrica, para a oposição.


ASSUNÇÃO CRISTAS
Presidente do CDS-PP

Embora não com o ardor do PSD, o CDS também fustigou o Governo com o tema da gestão da Caixa, acusando-o de falta de transparência no processo e exigindo a divulgação das declarações de rendimentos. Aprovou, ao lado do PSD e do Bloco de Esquerda a alteração que inviabiliza a excepção no Estatuto do Gestor Público para os administradores da Caixa.


MARQUES MENDES
Comentador

Muito do incêndio à volta da gestão da Caixa foi sendo ateado pelo conselheiro de Estado. Foi pela sua intervenção que o país ficou a saber que existia um alegado acordo com Domingues para dispensar os membros da administração de apresentar a declaração de rendimentos. O seu comentário na SIC ao domingo à noite ganhou peso. Só não antecipou o momento da saída de Domingues.


CARLOS CÉSAR
Presidente do PS

O PS sai relativamente incólume desta trapalhada, que atinge sobretudo o Governo. Carlos César defendeu desde o início o cumprimento da legislação, afirmando há um mês que "os gestores da Caixa Geral de Depósitos têm de entregar a declaração de rendimentos". Só não conseguiu evitar que o Bloco não votasse ao lado do PSD e do CDS. Nem à segunda.


QUEM PERDE


ANTÓNIO COSTA
Primeiro-ministro

A Caixa estava desde Dezembro em gestão corrente. Além do plano de recapitalização, o que se exigia do Governo é que encontrasse uma solução duradoura e que trouxesse estabilidade. Falhou, por completo, neste capítulo, o que também é responsabilidade do primeiro-ministro. O caso também não abona a favor da imagem de Portugal junto das instituições europeias.


MÁRIO CENTENO
Ministro das Finanças

Sai fragilizado com o fim da solução de gestão que defendeu para a Caixa. Geriu mal o processo. Terá dado a Domingues condições excepcionais, sem perceber que elas poderiam degenerar num imbróglio político.  A excepção na apresentação das declarações "não é lapso", chegaram a dizer as Finanças. Depois teve de dar o dito pelo não dito. A recapitalização ficou para 2017.


MOURINHO FÉLIX
Sec. Estado do Tesouro

Ricardo Mourinho Félix é, a par de Mário Centeno, o que sai mais "chamuscado". Chegou a dizer num dia de manhã que "não havia acesso do público em geral às declarações" de rendimentos dos administradores da Caixa, para garantir à tarde que as mesmas tinham de ser entregues no Constitucional. Já tinha recuado a propósito das alterações ao regime das instituições de crédito. 


ANTÓNIO DOMINGUES
Presidente da CGD

O processo da sua nomeação foi marcado por casos desde o início. António Domingues achou, mal, que podia estar no maior banco público como quem está num privado. Que podia ficar acima da política. Percebeu, tarde demais, que só a entrega rápida da declaração de rendimentos podia ter estancado os danos. No fim, tornou-se um incómodo para o accionista e perdeu o apoio político.


VÍTOR CONSTÂNCIO
Vice-presidente do BCE


O Banco Central Europeu,  de que Vítor Constâncio é vice-presidente, apadrinhou a escolha de António Domingues e da sua equipa para a gestão da Caixa Geral de Depósitos. Sendo alheio à trapalhada que se seguiu, não deixa de ser beliscado na sua imagem por ter sancionado, não sem várias exigências, uma solução que durou parcos meses.

A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Anda por aqui todos os dias um camarada anonimo que faz disto a sua vida. E mais um avençado do largo das ratas de certeza.

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Caro André, O PSD sai a ganhar ? Onde ? Não se vê isso nas sondagens ... não se vê isso nas palavras do senhor Presidente não se vê isso na cara do partido... acho que não o PSD e o CDS perde porque vai estar a frente da CGD alguém competente que não vai nas lenga-lengas neoliberais da PaF...

anonimo Há 6 dias

Há tanta gente que pode bem substituir este senhor,é procurar que há cabeças bem mais inteligentes e mais eficazes,mas é preciso procurar sem ser no meio politico.Serã mais honestos , não tem problemas em apresentar declaraçâo do patrimonio,até o faziam por metade do ordenado sem problema

a banda dos xuxxas no seu melhor Há 6 dias

uma vergonha

Anónimo Há 1 semana

Quem perde e quem ganha não se sabe. Agora quem se ri sabe-se: são os que meteram as galgas na CGD, sacaram a massa e estão na bancada a assistir ao espectáculo.

ver mais comentários
pub
pub
pub