Jorge Fonseca de Almeida
Jorge Fonseca de Almeida 16 de maio de 2017 às 21:38

Quem não tem cão caça com gato

Quantas vezes não ouvimos os proprietários de pequenos e médios negócios dizer que a publicidade é para as grandes empresas e que eles não precisam ou não querem investir nessa área do negócio.

Naturalmente também sabemos que muitas dessas empresas não sobrevivem, exatamente porque descuidam a arte de atrair clientes e de os manter satisfeitos.

 

Razão mais válida e também usualmente indicada é a da falta de meios para investir em campanhas publicitárias que exigem recursos avultados de que não dispõem.

 

Mas como diz a sabedoria popular, "quem não tem cão caça com gato", ficando claramente explícito de que não é por falta de meios que se deve deixar de fazer o que é imprescindível.

 

E hoje existem de facto muitas formas de "caçar com gato" obtendo bons resultados. Desde logo explorando o imenso potencial da internet. Um exemplo simples, mas que funciona muito bem.

 

Quantos pequenos restaurantes não vencem os seus pares num mercado altamente concorrencial pelo mero facto de todas as manhãs enviarem aos seus potenciais clientes um pequeno e-mail com o menu do dia, evidenciando os melhores pratos e sobremesas, encorajando-os a uma vista para o almoço.

 

Naturalmente para enviar estas mensagens foi necessário antes recolher os endereços, organizá-los numa base de dados, triá-los e criar uma lista de distribuição diária.

 

A triagem é muito importante. Se sabemos que um cliente não gosta de marisco, não adianta convidá-lo quando o prato do dia usa esse ingrediente. Pode até ser contraproducente. Pode perder-se um cliente que viria nos dias em que o prato é outro.

 

Também não valerá a pena convidar para o almoço de sábado os clientes que trabalham na proximidade do restaurante, mas que vivem longe.

 

Há, então, que ir personalizando a base de dados, dando grande atenção aos clientes, aos seus gostos e hábitos.

 

Dá trabalho, requer persistência, mas não exige um grande investimento.

 

Alternativa ou complementarmente, uma mensagem para o telemóvel também funciona muito bem. Se acompanhada de uma fotografia do prato do dia, ainda melhor.

 

Esta técnica publicitária funciona bastante bem não só com restaurantes, mas com um grande leque de comércios, serviços e indústrias.

 

Uma presença ativa nas redes sociais também não impõe grande investimento e permite alargar a audiência. Depois é preciso, com perseverança, ir chegando aos clientes e potenciais clientes.

 

O extraordinário e surpreendente é a grande ausência dos pequenos negócios portugueses nesta plataforma de comunicação.

 

Economista

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub