Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 27 de Maio de 2012 às 23:30

"Aquí te robamos. Este banco engaña, estafa"

Há duas semanas, em Madrid, lia-se num "sticker" num multibanco da Caja Madrid: "Aquí te robamos". E, ao lado, outro: "Este banco engaña, estafa. Y echa a la gente de su casa".
Há duas semanas, em Madrid, lia-se num "sticker" num multibanco da Caja Madrid: "Aquí te robamos". E, ao lado, outro: "Este banco engaña, estafa. Y echa a la gente de su casa".

É irrelevante saber se a raiva dos clientes tem razão de ser. O que interessa é a forma como a sociedade olha para a banca: alguém que se serve da comunidade… em vez de servir a comunidade. Com a "cumplicidade" dos Estados que, de negação em negação, já meteram centenas de biliões nos bancos (apesar dos fantásticos "stress tests"). Com a Europa à cabeça…

O caso espanhol é paradigmático. Há duas semanas o governo dizia que o Bankia, quarto maior banco, não custaria mais de cinco mil milhões. Agora o banco já pede mais… 19 mil milhões. Tudo somado, Espanha já colocou na banca 33 mil milhões de euros. Em Portugal, pelo menos para já, a factura para o contribuinte pouco ultrapassará quatro mil milhões.

Estas intervenções, que se generalizaram desde que o Lehman convenceu os Estados que não podem deixar falir bancos, têm um custo para o contribuinte, que assiste incrédulo às sucessivas facturas que lhe vão caindo no colo. É difícil acreditar que esse mesmo contribuinte vai aturar esta "privatização de lucros e socialização de prejuízos" durante muito tempo. É por isso que os Estados só têm uma opção: reforçar a regulação e a supervisão. Ou seja, serem chatos com a banca. Obrigando-a a reforçar o controlo de risco, os capitais próprios e a reavaliar, com critérios conservadores, os activos que têm nos balanços. O tempo em que os banqueiros podiam influenciar a supervisão chegou ao fim. E é bom que o Estado se certifique que eles perceberam isso.


camilolourenco@gmail.com
A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.05.2012

Este sr Camilo diz hoje o contrário do que dizia há meses, Ele quer é tacho e andar de televisão em televisão a ganhar chorudas recompensas á nossa custa.
YES MAN ,

desanimado 28.05.2012

Pois é senhor Camilo e entretanto quem paga?? Os malandros dos contribuintes!

Depois da queda do Lehman, em que todos os políticos falaram na urgência da regulação, ainda não foi tomada uma única medida. O regabofe continua.

Este neo-liberalismo é fantástico!Dá sempre lucros!!Quando não é a especular é através de injeções de capital dos contribuintes.

O que é engraçado é o discurso soft para estas aves de rapina que nada produzem.

Não senhor Camilo, não é serem chatos com a banca, é pô-los na prisão, e confiscar-lhes todos os bens até ao último cêntimo, porque estes gatos pingados puseram a vida de milhares de pessoas às avessas.



Anónimo 28.05.2012

O meu caro João Cruz...então você foi "descobrir a careca" ao Camilo?? Então isso faz-se..?? Você não sabe que ele já é careca de todo e não precisa que alguém lho aponte?. Desista..não vale a pena ligar a gente de poucos ou nenhuns principios. Não vale a pena comentar as crónicas de Camilo, pois agora não passam de um eco à "voz de dono"

DEVE SER MESMO PARA RIR 28.05.2012

O senhor que escreve a crónica ou seja o sr. Camilo não percebe nada(?)nós é que percebemos!?

ver mais comentários