Luís Bettencourt Moniz
Luís Bettencourt Moniz 03 de Janeiro de 2017 às 20:15

Redes sociais e gerações em 2017

São cerca de 2,3 mil milhões de utilizadores mundiais de redes sociais. Diferentes perfis, culturas e idades. Uma audiência apetecível para a publicidade.

Mais de 35 mil milhões de dólares vão ser investidos este ano nas redes sociais, contra os 8,3 registados em 2015, de acordo com a marketingproofs.com que compilou uma série de dados desde a conhecida brandwatch.com até à digitaltrends.com.

 

Se o investimento é intenso, é crítico perceber qual o envolvimento de cada rede em cada geração e o tempo médio de atenção com implicação no tipo de conteúdo. A geração Z, dos 13 aos 19 anos, tem uma atenção média de 8 segundos, com o Instagram a ser a sua rede preferida. Só no ano passado, um quarto destes jovens abandonou o Facebook em detrimento do Instagram. De referir que no Instagram, os 400 milhões de utilizadores carregam cerca de 80 milhões de fotos por dia. Os sistemas de mensagens como o WhatsApp têm uma prevalência sobre todos os outros.

 

A geração "millennials", que cobre a faixa dos 20 aos 35, verdade se diga bastante heterogénea, acredita mais no conteúdo e nas referências de outros consumidores no momento de escolha das marcas. O Facebook e o Twitter (em algumas geografias) são as principais redes. Nesta faixa, o Instagram começa a ter expressão, no entanto, 87% dos "millennials" possuem conta no Facebook e são particularmente activos com uma média de fãs superiores às restantes gerações. Os fóruns de comunidades e agregadores como o Reddit assumem alguma expressão no segmento entre os 20 e 25 anos.

 

A geração X, que vai dos 36 aos 49 anos, são os compradores online por natureza. Utilizadores de Facebook e Twitter, no entanto, menos activos do que os da geração "millennials". O e-mail continua a ser um meio de contacto privilegiado. Curiosidade é o crescimento do Pinterest neste segmento, enquanto o Instagram é residual.

 

A faixa dos "baby boomers" que cobre dos 50 aos 65 anos tem algumas surpresas. A rede que mais cresce neste sector é o Pinterest, com metade desta geração a utilizar activamente esta rede. As relações com as marcas fazem-se através dos websites depois de encontrá-las nas redes sociais. Cerca de 84% têm conta no Facebook e são mais activos do que a geração X.

 

Há um crescimento notório das redes sociais, das suas funcionalidades, mas também da sua complexidade em termos de privacidade. O contramovimento está a caminho no retorno à comunicação digital mais simples: as mensagens, quer seja no WhatApp, no Snapchat ou na simples SMS. 

 

Nota: o autor não aderiu por vontade própria ao convencionalismo do recente acordo ortográfico.

 

Responsável de Marketing no SAS Portugal

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar