Camilo Lourenço
Camilo Lourenço 29 de abril de 2012 às 23:30

Regresso aos mercados? Já começou...

Andamos todos preocupados com o regresso aos mercados em Setembro de 2013. Com boas razões.
Andamos todos preocupados com o regresso aos mercados em Setembro de 2013. Com boas razões. A maior delas o facto de termos de amortizar cerca de 9500 milhões de Euros em Setembro de 2013. E só vamos conseguir fazê-lo se convencermos quem tem dinheiro para emprestar que somos capazes de o pagar de volta.

O problema é que esta questão do regresso aos mercados está a tornar-se numa obsessão. E as obsessões têm uma desvantagem: impedem-nos de ver o óbvio. E o óbvio é que o regresso aos mercados já começou. O melhor sinal disso foram as últimas emissões de Bilhetes do Tesouro a 12 e a 18 meses (sobretudo esta última que, brevemente, deverá ser seguida de outras). A queda progressiva das taxas de juro dos últimos leilões de dívida (a contraciclo com Espanha...), o regresso de investidores estrangeiros e a aposta em títulos que se vencem depois de retirada a "safety net" da Troika (Bilhetes do Tesouro a 18 meses) mostra que há cada vez mais gente a acreditar no trabalho que estamos a fazer.

Mas há outros sinais, igualmente importantes, que confirmam o regresso da confiança no país: os aumentos de capital já anunciados pelos bancos que não vão recorrer a dinheiro do Estado. E aqui o destaque vai para o Banco Espírito Santo: alguém colocaria mil milhões de euros num banco português se a política financeira e económica seguida pela República não fosse credível?

É por estas e por outras que os analistas que andam obcecados com Setembro de 2013 deviam pensar duas vezes. Regressar aos mercados é isto, não um leilão milagroso (whatever that means) no dia 23 de Setembro do próximo ano.


camilolourenco@gmail.com
A sua opinião40
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
luís correia Há 4 semanas

Estamos quem ? Os funcionários públicos e os reformados, APENAS.Estes sim, cagam dez mil euros cada um e não VOC~E como privado. O pouco que você paga também nós pagamos, mais impostos e toda a vida mais cara, por isso deixe-se de falar no plural porque os sacrifícios são só para os reformados e para os funcionários públicos os privados estão à parte disto tudo. Bandidagem é o que isto é tudo.

simpatico Há 4 semanas

Qual é o cargo ou tacho que este senhor , sem qualificações, ocupa no PSD? Que falta de imparcialidade deste senhor, que chama de Camilo, é um tachista que não tem habilitações para os cargos que desempenha. Como um simples licenciado pode ser docente universitário ou estar sempre na televisão e não perceber nada do que diz?é o problema do nosso país e chama-se "cunha"...

Rafael Martins Há 4 semanas


http://omniaeconomicus.blogspot.pt/2012/02/nao-se-podem-testar-os-mercados-com.html

naolivre Há 4 semanas

acreditam no trabalho que estamos a fazer não se contam os do PCP, BE e PS - que, por sinal (vá-se lá saber por quê) têm o monopólio nas rádios e TVs e tentam intoxicar o povo... Onde está a responsabilidade da comunicação social? Quem a responsabiliza? Com Salazar não podíamos ouvir os comunistas; agora não podemos ouvir a direita (que governa a Europa)...

ver mais comentários