Jorge Marrão
Jorge Marrão 01 de junho de 2017 às 00:01

Salvador Ronaldo

Entretemo-nos com os novos heróis nacionais no estrelato mundial, culminando no debate sobre comparação entre Ronaldo e a Presidência do Eurogrupo! Nada resolvemos. Em política o que parece é.

A FRASE...

 

"Vimos Portugal arrumar a casa… o que proporcionou a Schäuble a mesquinha ironia de comparar Ronaldo com Centeno."

 

Vicente Jorge Silva, Público, 28 de Maio de 2017

 

A ANÁLISE...

 

A política está cada vez mais incapaz. Não o quer reconhecer. Pressionada pelos ávidos meios de comunicação social quer dar a ideia que pode resolver quase tudo. A capacidade dos Estados nacionais e dos políticos de resolver por si sós os problemas duma nação diminuiu substancialmente. Os eleitores nacionais atribuem cada vez mais responsabilidade aos seus governos. O mercado por excelência dos políticos, o dos votos, não é acompanhado pelos outros mercados a que têm de dar resposta: os mercados financeiros propriamente ditos e os mercados políticos externos.

 

No primeiro, vendem-se ilusões, e no segundo compra-se crédito, e outras ilusões. Os anátemas e/ou os avisos às agências de "rating" ou à política externa de outros países propalados por uma "intelligentsia" fabricada na época do romantismo político soberanista revela a incompreensão sobre o modelo de crescimento que foi assente numa globalização do capital entregue aos Estados à escala planetária, para estes criarem as suas ilusões sobre a quantidade e qualidade dos seus Estados sociais e do investimento público. A globalização é um "rating" permanente de tudo e todos. Há sempre uma forma de não precisarmos de "ratings" nem de comparações vindas de fora: vivermos com os próprios meios.

 

As consequências do Brexit, eleição de Trump, de Macron, os resultados das eleições na Alemanha, o movimento de afirmação globalista da China, a estratégia inteligente de afirmação da Rússia de Putin, a instabilidade no Islão, a tensão na península coreana e as estratégias monetárias dos bancos centrais deveriam levar a uma reflexão séria em Portugal sobre as vulnerabilidades, bem como sobre as limitações que enfrentamos. Ao invés de o fazermos, atiramos barro à parede. Entretemo-nos com os novos heróis nacionais no estrelato mundial, culminando no debate sobre comparação entre Ronaldo e a Presidência do Eurogrupo! Nada resolvemos. Em política o que parece é.

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

CERTO!

Os tugas adoram FUTILIDADES... Veja-se a VERGONHOSA novela da cantora maNdona em LIXOboa! Noticia de telejornal em todas as tv em horario nobre! Ate o meia leca MM comentou na XIC....