Rui  Peres Jorge
Rui Peres Jorge 24 de Novembro de 2016 às 16:30

Sr. governador, iletrado e ignorante me confesso

O governador do Banco de Portugal resolveu transportar o debate político e técnico sobre as falhas no ajustamento do sector financeiro para o plano pessoal. As críticas não são ideias e pontos de vista… são ofensas. Os críticos não são interlocutores… são ignorantes e iletrados. A posição de Carlos Costa não é só surpreendente, é também preocupante pela falta de capacidade de auto-crítica que outras instituições já foram capazes de fazer.

O governador do Banco de Portugal resolveu transportar o debate político e técnico sobre as falhas no ajustamento do sector financeiro para o plano pessoal. As críticas não são ideias e pontos de vista… são ofensas. Os críticos não são interlocutores… são ignorantes e iletrados. A posição de Carlos Costa não é só surpreendente, é também preocupante pela falta de capacidade de auto-crítica que outras instituições já foram capazes de fazer.

A abordagem à banca nacional adoptada pela troika, pelo governo anterior e pelo Banco de Portugal foi optimista, errou ao considerar que os problemas em Portugal estavam apenas concentrados no sector público e poupou os bancos aos incómodos de intrusões mais sérias do supervisor e de intervenções públicas. É hoje evidente que isso custou muito dinheiro ao adiar resoluções e recapitalizações que entretanto ficaram mais caras, e que ainda nos está a custar um dos sistemas financeiros mais frágeis da Zona Euro, com implicações negativas por exemplo na concessão de crédito.

Nos "Os 10 erros da troika em Portugal", que escrevi no primeiro semestre de 2014, defendi isso mesmo. Os desastres do BES e Banif que ocorreram depois vieram confirmar o diagnóstico, embora tenha pecado por optimismo quanto às consequências da abordagem liderada em boa parte por Carlos Costa – que, sublinhe-se, entrou no Banco de Portugal em 2010 para recuperar a imagem do supervisor já com o aviso das más práticas na banca nacional evidenciadas pelo BPN, BPP, e pelo caso das off-shores do BCP onde Carlos Costa de resto trabalhou entre 2000 e 2004 como director da área internacional.

Aos poucos as instituições da troika têm vindo a reconhecer isso mesmo. Numa intervenção em Abril deste ano em Lisboa, Filip Keereman, chefe de divisão da Direcção-geral Estabilidade Financeira da Comissão Europeia, admitiu que Portugal deveria ter recebido mais que os 12 mil milhões de euros para a banca – que ainda assim, convém sublinhar, o anterior governo gastou apenas pela metade –, defendeu que a avaliação da debilidade do sistema financeiro nacional foi branda, e concluiu (o que, na verdade já se sabia de eventos passados), que perante grandes crises financeiras é fundamental concentrar esforços na limpeza e recuperação da banca. Só assim se consegue acelerar a recuperação após o descalabro económico.

Ideias semelhantes surgiram num relatório publicado esta semana, no qual a Comissão Europeia avalia ao que se passou em Portugal entre 2011 e 2014, e concluiu que "apesar do programa ter identificado correctamente os assuntos chave que o sector bancário enfrentava, a escala do problema foi subestimada e resultou em implementação de políticas que deixaram nos bancos demasiadas fragilidades no final do programa", chegando até a dizer que "uma abordagem mais determinada da supervisão poderia ter promovido ajustamentos" no BES e no Banif durante o programa, de resto como também na CGD.

O FMI, por seu lado, numa avaliação que precedeu a de Bruxelas, considera que "um escrutínio mais profundo das práticas de supervisão, seguido de medidas adicionais de fortalecimento da supervisão teriam beneficiado o programa". Para Washington os testes de stress do Banco de Portugal foram inconsistentes nas metodologias, e optimistas nos pressupostos. E em relação ao BES, teria mesmo sido necessária "uma abordagem mais interventiva da supervisão (…) mais reconhecimento de riscos do grupo, e mais acções preventivas, incluindo na governance do grupo". 
  
Em vez disso, e sendo já evidente a gravidade dos problemas no BES pelo menos desde o final de 2013, Carlos Costa, com o apoio do Governo e do Presidente da República, e a dormência da troika e da CMVM, convidaram os investidores a colocar mil milhões de euros no banco em Junho de 2014, para os perderem dois meses depois na implosão de Agosto.
 
As avaliações do FMI e da Comissão Europeia podem ainda ser complementadas com as conclusões da análise do Departamento de Avaliação Independente do FMI, uma espécie de auditor interno do Fundo que, com ajuda de Nicolas Véron, investigador de dois dos ‘think tanks’ mais influentes do mundo (Bruegel em Bruxelas, e Peterson Institute em Washington) critica o FMI por não ter pressionado mais Carlos Costa, aceitando a perspectiva ideológica vigente em Lisboa de que os problemas em Portugal não estavam na banca, nem no sector privado, mas somente nas contas públicas.


Será justo reconhecer que não podemos ser alheios às circunstâncias em cada momento – e quanto a isso, quem está de fora, tem obrigação de dar algum benefício a decisões complexas e difíceis. Mas uma coisa é contextualizar a incerteza, outra é entrar em negação. É este o caminho que Carlos Costa parece querer seguir ao qualificar as críticas como "uma ofensa a quem fez o programa de ajustamento", "uma ofensa ao Banco de Portugal" e reveladoras de "grande ignorância para não dizer iliteracia".

Assim sendo, não me resta senão confessar-me ignorante e iletrado, tendo por conforto o facto de não estar sozinho.

A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 1 semana

Carlos Costa. na incompetência e na arrogância, é uma boa ilustração do tipo de gestor produzido pelo sector financeiro português. É por isso que lhes devemos continuar a encher os bolsos, pois só temos que dar graças por ter tais crânios no comando. É pagar e não bufar.
Vela-se o caso do seu antecessor: até aparece sempre com cara de enfado. Tem razão para isso: se para si tudo corre na maior, porque raio preocupar-se com os problemas do mundo ...

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

CLARO Q ESTE SENHOR CARLOS COSTA É DOS Q TEM MAIS CULPA DAQUILO Q SE PASSOU C OS BANCOS. ASSIM C O CAVACO, PASSOS, MARILU ETC. SÃO OS TAIS SABICHÕES Q DIZEM SABER TUDO E Q NO FIM NADA SABEM. MAIS TARDE OU MAIS CEDO T SE SABE SÓ Q Q ISSO ACONTECE ESTES LADRÕES TÊM OS BOLSOS CHEIOS E O ZÉ PAGA.

Anónimo Há 6 dias

Também me confesso iletrado e ignorante e, ainda mais, depois de ler o artigo deste "jornaleiro". É que, o que retirei da critica de Carlos Costa, foi que todos os problemas da banca, já existiam em 2010. Será que existem dúvidas? Lá sabe o "jornaleiro" a quem serve o seu arranjo!!!

Anónimo Há 6 dias

Para quê perder tempo com filosofia barata e basófia partidária. É tirar todo o dinheiro dos bancos, comprar dólares e deixar de ouvir e ler parvoíces. Quando é que se convencem que palavras lindas e conversa fiada são a única coisa que sai da cabeça da tutela ?

Anónimo Há 1 semana

Caro jornalista,

É curioso que quando o governador foi atacado politica e pessoalmente, não se tenham insurgido da mesma forma. Agora são só virgens ofendidas que em tempos tinham esgrimido os argumentos políticos mas não pessoais. Não se percebe

ver mais comentários