Armando Esteves Pereira
Armando Esteves Pereira 03 de agosto de 2017 às 20:15

Subsídio para carro de 25 mil euros

A atribuição do rendimento mínimo, mais tarde rebaptizado com a designação de rendimento social de inserção (RSI) , é uma boa ideia que impede que um cidadão vítima de circunstâncias adversas fique na mais completa miséria.

É uma questão de dignidade humana. Esta prestação até já produziu alguns resultados positivos: há menos crianças a escapar ao ensino básico e a receber os devidos cuidados médicos.

 

Mas como em todos os subsídios públicos há a tentação de fraude, mesmo estando em causa poucas centenas de euros por família.

 

Cabe ao Estado entregar este subsídio a quem efectivamente precisa, mas a última alteração das regras que permitem que quem tenha um carro de 25 mil euros continue com acesso a esta prestação é uma má ideia.

 

O RSI deve ser o último recurso, não pode ser uma fonte de rendimento por usucapião, até porque é pago com o dinheiro dos impostos cobrados a centenas de milhares de contribuintes que têm dificuldade em esticar os seus rendimentos até ao fim do mês e mesmo assim não escapam ao esbulho fiscal.

 

Alguém que não tenha rendimentos, mas tenha um automóvel com valor de 25 mil euros ou superior, deve em primeiro lugar vender a viatura para pagar as suas contas. É o que dita o bom senso.

 

E por incrível que pareça há gente nestas condições. Andam num carro caro e recebem o cheque do RSI. Até se pode argumentar que estatisticamente estes casos são muito pontuais. Mas existem e pior é que, com esta alteração de regras, o Estado dá uma mensagem errada.

 

O RSI deve ser para pessoas em efectiva situação de pobreza. Quem tem um carro de 25 mil euros tem um património que é muito superior ao salário médio anual deste país, de pessoas a quem o Estado cobra uma importante parte do seu rendimento.

 

Esta questão está a ser usada numa aparente divisão ideológica entre esquerda e direita, mas quando um político de esquerda está a dizer que não faz mal alguém com um património em bens móveis de 25 mil euros receber uma prestação social para os pobres está a esquecer que quem paga impostos para sustentar esse subsídio são maioritariamente pensionistas e trabalhadores, que dificilmente terão meios para ter um carro com um valor tão alto.

 

O dinheiro das prestações sociais não é elástico e subsidiar quem efectivamente não precisa é um erro. O Estado deve ser solidário, mas não pode desbaratar o dinheiro dos contribuintes.

 

Saldo Positivo: Neymar

É o protagonista do maior negócio de sempre no futebol. A cláusula de rescisão do contrato com o Barcelona vale mais do que várias empresas cotadas na praça portuguesa. Há quem discuta sobre a obscenidade de 222 milhões por um jogador, mas se há quem pague, é porque vale. Hoje o futebol é cada vez mais um negócio global, que conquista novos mercados e novos mecenas, o que leva a uma incrível inflação. Maradona, o melhor de sempre deste desporto, foi vendido, em 1984, por 37 vezes menos do que Neymar.

 

Saldo Negativo: Augusto Santos Silva

Portugal não pode deitar mais gasolina no fogo da Venezuela, até porque há uma vasta diáspora portuguesa naquele país. Mas na prática, à sombra desse argumento, a diplomacia portuguesa está a ser o maior avalista na Europa de um regime que tenta fazer um golpe de Estado constitucional. Além do desastre económico e social que caiu sobre este gigante da produção petrolífera, os atentados à liberdade e aos direitos fundamentais realizados pelo regime liderado por Maduro merecem censura internacional.

 

Algo completamente diferente

 

Bastava Camões e Pessoa para considerar este país abençoado pela musa da poesia. Mas há mais poetas geniais que enriqueceram a nossa língua. Entre eles encontra-se Ruy Belo, que desapareceu precocemente, com apenas 45 anos, a 8 de Agosto de 1978.

 

Poeta maior e eterno, a leitura de alguns poemas remete-nos estranhamente para o Portugal 2017: "Morre-se a ocidente como o sol à tarde, Cai a sirene sob o sol a pino, da inspecção do rosto o próprio olhar nos arde,

 

Nesta orla costeira qual de nós foi um dia menino?"

A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
silvamaria Há 3 semanas

Eu sou contra o RSI porque tenho 60 e 42 de descontos e querem que tenha 48 para não ter penalização, mas como eu á milhares que recebem uma miseria de reforma. Onde moro tenho um cafe ao pé e quando saio para o trabalho estão os srs do RSI a beberem cafes e e cerveja todo o dia a conta de quem trabalha honetamente, e não querem trabalhar porque conheço muitos desta gentinha incluido a etnia cigama que são aos milhares.

Anónimo Há 3 semanas

Vou-lhe dar um caso pontual
A minha mãe reformada por invalidez, recebe uma mísera reforma de 200€, o IRS máximo é/era de 196€, por a minha mãe passar o valor máximo não tem direito a IRS, conclusão ela vive sozinha arrenda uma casa de 150€ e o resto das contas quem paga? Nós 2 Filhos 24/26 anos.

azevedos 11.08.2017

Refere o seguinte:" e aos direitos fundamentais realizados ... merecem censura internacional." Claro que sim!
Mas governo PSD/CDS também tentou aprovar normas anticonstitucionais e não vi (posso estar equivocado) o Sr. em nenhum órgão de comunicação social a condenar a situação.

Ana 08.08.2017

Quando há tanta gente a trabalhar que não consegue ter um carro desse valor é brincar com a sanidade mental dos portugueses premiar com RSI este tipo de pessoas. Parece que não mas sustentar um carro deste valor dá muita despesa. Será o RSI entregue para sustentar esse carro e/ou aeronave?

ver mais comentários