Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 04 de setembro de 2017 às 19:06

Super Mario e o novo desafio no labirinto dos estímulos

É uma gestão complexa a que Mario Draghi tem em mãos. A poucos dias de uma nova reunião de política monetária da instituição, cresce a especulação em torno do discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE).

Com a divisa europeia próxima da barreira de 1,20 dólares e no valor mais elevado desde Janeiro de 2015, a expectativa é que a autoridade monetária decida manter um tom conservador, destacando que a moeda negoceia em níveis demasiado elevados. Mas este poderá ser um revés aos planos de Mario Draghi, uma vez que muitos economistas antecipavam que o responsável pudesse aproveitar a primeira reunião depois do Verão para endurecer um pouco o tom do seu discurso, de modo a preparar o mercado para o anúncio de uma redução do seu programa de compra de activos mais para o final do ano, início de 2018.

Mas, se para os investidores a sensação de que esta "rede de segurança" sob a forma de estímulos monetários poderá prolongar-se por mais algum tempo, para o sector financeiro, a extensão dos juros em mínimos significa margens deprimidas. Interesses opostos, num labirinto que Mario Draghi tem de desvendar, de modo a preservar a estabilidade que conseguiu a esforço.


Jornalista
A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 04.09.2017

Infeliz/ o pais nao serve de termometro para medir o q quer q seja.O fina flor draghi tem mais 2 anos de vida a frente do BCE,os paises q integram a moeda unica nao saiem desta cepa torta nem daqui por 10 anos.Tudo vai depender de quem vai ocupar o lugar dele.Esse cabrao nao cura nada,apenas atrasa.