António Moita
António Moita 09 de março de 2017 às 20:30

Teodora não vás ao sonoro

Não voltámos ainda ao tempo do cinema mudo. Mas os filmes voltaram a ser a preto e branco. A diversidade não é aceite, a dúvida é mal compreendida, a discordância é rejeitada.

A hostilidade entre os diferentes atores políticos é patente. O recente debate parlamentar entre António Costa e Passos Coelho tornou isso ainda mais evidente.

 

Com os atuais protagonistas será impossível prosseguir um caminho de reformas estruturais consensualizadas em matérias como as funções e dimensão do Estado, o investimento público, a Segurança Social, a saúde ou a educação.

 

A agressividade no discurso acentuou-se e o tom está a tornar-se desagradável. Hoje só há duas posições possíveis no quadro político português - ou estão comigo (leia-se o Governo) ou estão contra mim. Como se isto não bastasse, qualquer entidade ou personalidade que se lembre de desconfiar do sucesso de um programa ou de uma medida em concreto é imediatamente atacada como se tivesse praticado um crime contra o Estado. Só a versão oficial é aceitável.

 

Teodora Cardoso, respeitada economista que preside ao Conselho de Finanças Públicas, cometeu a imprudência de se pronunciar sobre os riscos da economia portuguesa e, perante a indignação da esquerda mais sensível, logo surgiu o Presidente da República a disparar um tiro de morteiro contra a ilustre senhora. Tudo o que desvie o foco presidencial colocado no crescimento económico e na estabilidade do sistema financeiro está condenado a morrer à nascença.

 

António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa lideram neste momento um bloco de pensamento arrogante e nada complacente com quem pensa diferente. Tal como nos anos 30, podiam ter feito como Corina Freire e cantado - "Teodora não vás ao sonoro/Teodora não sejas ruim/Teodora repara que eu choro/Se fores ao sonoro não gostas de mim/Teodora não vás ao sonoro/Teodora não vás mas eu vou/Porque adoro na vida o sonoro /E há-de ser Teodora, quem chorar, chorou".

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.03.2017

A arte de distorcer a verdade dos factos!
Se havia e há partidários do caminho único sem alternativa era mesmo o Governo PSD/CDS de Passos e Portas, que venDaram as principais empresas portuguesas aumentaram o endividamednto público de 90% para 130% do PIB, ao mesmo tempo que esmagavam os salários e reformas de quem vive do trabalho, e fechava criminosamente os olhos á fuga de capitais para os off shore!
Têm difgiculdade de aceitar a realidade dos números do sucesso deste governo, e ressabiados que estão de não estarem no poleiro a acabar o seu trabalho de destruição da soberania nacional, dedicam-se a tentar aldrabar a verdade desse sucesso e queixam-se de que as suas aldrabices não são aceites ,nem sequer pelo PR. Lata e vergonha na cara não falta aos ressabiados como o demonstra este artigo! :)

comentários mais recentes
Anónimo 13.03.2017

A arte de distorcer a verdade dos factos!
Se havia e há partidários do caminho único sem alternativa era mesmo o Governo PSD/CDS de Passos e Portas, que venDaram as principais empresas portuguesas aumentaram o endividamednto público de 90% para 130% do PIB, ao mesmo tempo que esmagavam os salários e reformas de quem vive do trabalho, e fechava criminosamente os olhos á fuga de capitais para os off shore!
Têm difgiculdade de aceitar a realidade dos números do sucesso deste governo, e ressabiados que estão de não estarem no poleiro a acabar o seu trabalho de destruição da soberania nacional, dedicam-se a tentar aldrabar a verdade desse sucesso e queixam-se de que as suas aldrabices não são aceites ,nem sequer pelo PR. Lata e vergonha na cara não falta aos ressabiados como o demonstra este artigo! :)

Anónimo 11.03.2017

Excelente artigo e descrição dos tempos que actualmente atravessamos. Infelizmente estamos a regressar em grande velocidade aos tempos do PREC. Quem os atravessou bem sabe foi. Quem não "era por eles", reviralho, era fascista. Os democratas eram "eles"! Foi um tempo de terror e totalitarismo!

Mr.Tuga 10.03.2017

CERTISSIMO!

Os xuxalistas e geringonços são muito DEMOCRATICOS! São insuspeitos! Umas virgens pudicas!

Como se vê com o camara "Loiça" do BErloque no BdP.... Se fosse com os direitas seria "tacho". Com os esquerdas é pluralismo!...

pub