Raquel Godinho
Raquel Godinho 07 de novembro de 2017 às 19:59

Todos temem o crescimento das moedas virtuais

As moedas virtuais estão cada vez mais na ordem do dia. Não há um só dia em que não sejam noticiadas as variações expressivas destas moedas ou a posição de vários especialistas sobre este tema.

A euforia tem sido grande, ao longo dos últimos meses. E reflexo disso é que têm aumentado as ofertas iniciais de moeda (ICO, na sigla em inglês). Estas são operações de financiamento de empresas que actuam na área do "blockchain" e, ao contrário das ofertas públicas iniciais (IPO, na sigla em inglês) de acções, que não são reguladas.

Só este ano, foram angariados 3,2 mil milhões de dólares (2,76 mil milhões de euros) neste tipo de operações. Já os IPO ascenderam a 126,9 mil milhões de dólares, no mesmo período, de acordo com os dados citados pela Reuters. A diferença ainda é expressiva, mas o número de ICO tem vindo a aumentar. E, perante esta realidade, o vice-chairman do Nasdaq veio dizer que os mercados Nasdaq ainda são o melhor local para as companhias dispersarem capital.

Em declarações à CNBC, no Web Summit que decorre esta semana em Lisboa, Bruce Aust justificou esta posição frisando que os ICO "são muito jovens" e ainda não são regulados. Novas afirmações que visam travar o crescimento acelerado das moedas virtuais que todos parecem temer.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub