Fernando  Sobral
Fernando Sobral 11 de maio de 2017 às 09:37

Trump, a Rússia e o despedimento no FBI

Na terça-feira, o Presidente Trump despediu o director do FBI, James Comey, numa altura em que este liderava a investigação para apurar as ligações de membros da nova administração à Rússia.

A ironia da história é que Comey, ao trazer para a praça pública os e-mails privados de Hillary Clinton a poucas semanas do fim da campanha para as eleições presidenciais, poderá ter tido um papel activo para esta as perder. Segunda ironia: Trump argumenta que Comey tratou "levemente" a questão dos e-mails de Clinton e isso foi uma boa razão para o despedir. Comey soube da sua dispensa pela televisão. Refira-se que os directores do FBI têm um mandato máximo de 10 anos, para evitar que se repita a situação de J. Edgar Hoover, que chefiou o FBI quase 50 anos. No New York Times, David Leonhardt escreve: "O Presidente dos EUA está outra vez a mentir. O Presidente está a mentir sobre a razão por que despediu um responsável da justiça e está quase de certeza a mentir para se proteger a si próprio e aos seus adjuntos de uma completa investigação às suas actividades."

No Twitter, o conhecido ideólogo conservador Bill Kristol também reagiu: "Não houve uma verdadeira recomendação do Departamento de Justiça (para o despedimento). Trump queria fazê-lo e criaram uma narrativa. Podemos ser críticos de Comey, mas ficar alarmados pelo que Trump fez e como o fez." Na CNN, Chris Cillizza argumenta: "James Comey soube que tinha sido despedido da mesma forma que nós: ao ver na televisão. O que Trump está aqui a fazer não é apenas imprevisível. É potencialmente perigoso. Remover a pessoa que está a liderar uma investigação sobre um país estrangeiro que tentou influenciar uma eleição americana, atacando um candidato (Clinton) e ajudando outro (Trump), manda uma mensagem clara para cima e para baixo da burocracia federal, para já não falar das pessoas comuns."
A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Ou muito me engano ou o futuro imediato da América é a perda total de credibilidade e o descalabro. Trump aparenta ser um génio do mal inconsequente e os primeiros sintomas estão à vista. Espero que a comunidade internacional esteja atenta e o possa travar atempadamente.

pub
pub
pub