Fernando  Sobral
Fernando Sobral 11 de abril de 2017 às 09:37

Trump e a Rússia: e depois do amor, o que virá?

Depois de tanto se ter falado das ligações entre membros da administração Trump e a Rússia e de esta ter sido acusada de interferências na campanha presidencial norte-americana, os mísseis disparados contra uma base síria parecem ter feito voltar as duas potências aos velhos tempos: criticam-se mutuamente.

A poucas horas de ir a Moscovo, o secretário de Estado Rex Tillerson chamou à Rússia "incompetente" por ter deixado a Síria continuar a ter armas químicas e acusou Moscovo de estar a tentar interferir nas eleições europeias deste ano, utilizando os mesmos métodos que usou nos EUA. O que está a mudar? No "New York Times", Ross Douthat escreve: "A administração Trump não tem especialistas normais de política externa entre os seus funcionários civis. Rex Tillerson pode ter uma pose realista e Nikki Haley um estilo moralista, mas nenhum fez parte destes debates antes. Mike Pence não tem a experiência de um Dick Cheney ou de um Joe Biden. (…) O que Trump tem são generais - James Mattis e H. R. McMaster e outros militares no gabinete, para além dos militares profissionais. E é esta equipa de generais, de nenhuma das habituais escolas de relações externas, que parece estar a marcar o passo. (…) Mas uma política americana ser dirigida por militares, em vez de ser influenciada por militares, seria uma coisa nova na história recente".

No "Washington Post", Josh Rogin argumenta: "Os EUA têm o objectivo de evitar que Assad consiga o seu principal intento, que é forçar a comunidade internacional a uma escolha entre apoiar o seu governo ou os extremistas. (…) Se Trump verdadeiramente acredita em evitar a chacina na Síria, deve instruir o governo americano a virar a sua atenção para Idlib antes que seja demasiado tarde". Já Elliott Abrams escreve no "Weekly Standard": "O Presidente é Chefe-Executivo desde 20 de Janeiro, mas esta semana actuou também como Comandante-Chefe. Finalmente aceitou o papel de líder do Mundo Livre."


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Hipocrisia dos falcões dos EUA e UE ? 11.04.2017

Querem lá um palhaço mercenário corta cabeças,faz vender mais armas e é mais destruidor ? paranoias das primaveras estão se nas tintas para as criancinhas, querem é guerras e povos destruídos.