André  Veríssimo
André Veríssimo 23 de janeiro de 2017 às 00:01

Trump. E agora?

Trump é um homem de negócios, para quem a política é um negócio, que se rodeou de homens de negócios, vários deles "alumni" da Goldman Sachs. Uma das suas muitas contradições.

Foi um discurso de Trump. Primário, populista, nacionalista, proteccionista, cheio dos "istas" que lançaram e lançam sombras sobre o mundo. Com o discurso da "inauguração", ficou desfeita qualquer réstia de esperança de que o Presidente pudesse ser diferente do candidato. Foi a estreia de um novo tempo. Preparemo-nos para ele.

 

Trump é um homem de negócios, para quem a política é um negócio, que se rodeou de homens de negócios, vários deles "alumni" da Goldman Sachs. Uma das suas muitas contradições.

 

Trump é contra os acordos para travar o aquecimento global porque isso vai contra os interesses das grandes petrolíferas, da exploração de carvão, da indústria americana. Trump quer reverter as regras criadas para tentar evitar outra crise financeira como a de 2008, porque isso dará poder e dinheiro aos bancos. Trump quer baixar os impostos às empresas, porque no seu grande plano para irradicar a pobreza, os ricos ficarão ainda mais ricos. Trump precisava de uma ideologia para se eleger e justificar o poder: agarrou-se ao populismo e ao nacionalismo.

 

De caminho haverá mais emprego, é verdade, mesmo que a taxa até já seja baixa. As fábricas de produtos americanos serão pressionadas a regressar aos Estados Unidos. Quem quiser vender nos EUA terá de lá abrir fábricas - já está a acontecer. Os produtos americanos serão protegidos por tarifas aduaneiras. "Buy America, hire America".

 

E porque não? Porque de caminho Trump deita borda fora aquilo que tem trazido segurança (a "pax americana") e prosperidade (o liberalismo económico) ao mundo. Mesmo que uma segurança por vezes falsa e uma prosperidade muito mal distribuída.

 

Os EUA são o principal destino das exportações da União Europeia (pesa 15%), pelo que o proteccionismo "a la Trump" terá inevitavelmente consequências negativas na economia. O alarme  já soou na Alemanha. Por este andar, Berlim e Bruxelas serão obrigadas a dar mais atenção a outras geografias, como a Ásia. Acelerar, por exemplo, os trabalhos para o acordo de comércio livre com o Japão. Fortalecer ligações à América Latina e África. Portugal pode ter aqui um papel.

 

A insegurança internacional também vai pesar nas expectativas, logo na economia. Como escrevia Martin Wolf esta semana no Financial Times, os populistas precisam de um inimigo que ajude a galvanizar apoio e legitime certos actos. Trump coleccionará vários, mas já escolheu um, de peso: a China. Qualquer crescendo de tensão tirará pulmão ao crescimento. Se a Rússia afrontar a Europa, é incerto que a Europa possa contar com Trump. A união dentro da União será decisiva. Logo num momento em que ela se rompe por dentro. Momento celebrado, este sábado, na cidade alemã de Koblenz.

 

Mesmo sobre o Trumpnomics sobram muitas dúvidas. A que países vai vender a indústria americana se os custos laborais dispararem, os produtos forem produzidos inteiramente nos EUA e vendidos com um dólar muito forte? Se as taxas de juro dispararem quantas empresas deixarão de ser capazes de pagar as dívidas? Até os investidores nas bolsas americanas, que rejubilaram com os planos de negócio do novo Presidente, estão agora mais reticentes.

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 23.01.2017

O Trump não é nenhum ditador sul-americano.Tem o Congresso e o Senado,mais os tribunais, a controlá-lo.Um pouco mais de honestidade profissional,ó André...

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O povo americano é mesmo um atrazado, com falta de cultura, so pensam em tostoes...sim porque os milhoes sao pro Trampa e seus amigos...este povo so pensa em $...esta gentalha nao se importa de rasgar acordos internacionais do ambiente da Terra so pra estes tolos terem mais uns trocos...tolos eguist

00SEVEN 23.01.2017

Tem uma taxa baixa de desemprego mas essa taxa não reflecte a realidade!
Tente informar-se, André, qual é a verdadeira situação porque escreve sem conhecer o assunto em toda a sua dimensão e isso transporta para o público uma informação viciada.
Essa taxa de desemprego está nos 4.7% porque há 94.8 milhões de americanos fora da força laboral.
Veja só este titulo que é muito fácil segui-lo na Internet.

"Record 94,708,000 Americans Not in Labor Force; Participation Rate ..."

Por isso e não só Trump ganhou as eleições!
As pessoas estavam fartas da mentira!!!

surpreso 23.01.2017

O Trump não é nenhum ditador sul-americano.Tem o Congresso e o Senado,mais os tribunais, a controlá-lo.Um pouco mais de honestidade profissional,ó André...

Mr.Tuga 23.01.2017

Esperar para ver....

ver mais comentários
pub