André  Veríssimo
André Veríssimo 11 de abril de 2017 às 21:06

Um problema de reputação avaliado em mil milhões

Um passageiro da United Continental foi arrastado para fora de um avião num voo em "overbooking". Havia quatro passageiros a mais, ninguém se ofereceu para sair e foi feito um sorteio. Um dos azarados, David Dao, recusou levantar-se e foi retirado à força pela polícia do aeroporto, ficando com ferimentos.
A cena foi filmada por outros passageiros com o telemóvel e o vídeo pegou fogo nas redes sociais. O resultado foi uma crise de relações públicas para a companhia, que esteve a perder 4% em bolsa, o equivalente a quase mil milhões de dólares.

A gestão que a companhia está a fazer do caso, em vez de acalmar, aumentou o tom da indignação. A violência foi levada a cabo por um polícia, mas com a colaboração do "staff". O CEO da United lamentou o sucedido, mas não pediu desculpas ao passageiro. A companhia veio entretanto esclarecer que não havia "overbooking", o problema é que precisava de transportar quatro tripulantes. E os passageiros com isso?

A maior dor de cabeça para a United Continental pode ainda estar para chegar. O passageiro em causa é de origem chinesa e o vídeo incendeia agora as redes do outro lado do Pacífico. Se o apelo ao boicote também pegar na China... Pode ser que a United venha enfim dizer que vai adoptar outros modos na forma como lida com os passageiros. 
A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Em primeiro lugar acho que o primeiro demitido desse episodio lamentável deve ser o CEO Munhoz, pois ele não teve sensibilidade para conduzir um episódio lamentável, os outros que devem pagar pelo ocorrido devem ser apurados, mas o CEO deve sim ser demitido imediatamente.

Anónimo Há 2 semanas

Aparentemente a origem do passageiro/médico é vietnamita e não chinesa, pode ser uma correção importante.

pub
pub
pub