Fernando  Sobral
Fernando Sobral 02 de agosto de 2017 às 19:26

Vem aí o deserto

Há quem diga que na política, quando se cria o deserto à volta do poder total, se chama a isso, erradamente, paz. Muitos líderes cometem esse erro e acabam um dia sem água para beber, porque os seus oásis se tornaram locais onde é impossível viver.

Os grandes incêndios deste Verão trouxeram a cor da cinza e a sensação de deserto. Não faltam recriminações nem guerrilha política. Mas falta aquilo que o poeta luso-árabe, nos idos do século XIII, de nome Abû Uthmân, descrevia assim: "Se viver é cruzar um deserto de morte/aborrecer tais prazeres é o meu norte." O clima está a mudar e se Portugal não se preparar, sem contemplações, para ele, este país será muito diferente dentro de algumas décadas. Sem uma política de reflorestação séria e inteligente, continuaremos a caminhar alegremente para o deserto. Se dúvidas existissem, elas vêm, preto no branco, no número de Outono da revista Science, num trabalho de Joel Guiot e Wolfgang Cramer, do Centro Nacional para o Investigação Científica de França.

 

Segundo as suas previsões, em 2090 as zonas mais secas terão avançado até meio de Portugal (até junto a Lisboa). As razões são simples: aumento das temperaturas, perda da cobertura vegetal devido a incêndios, tendência de erosão dos solos, abandono da agricultura tradicional e crescimento urbano. Ou seja, o Sahara deixará de ser uma miragem longínqua: estará mesmo aqui. Por isso, por razões ambientais, sociais e económicas, as grandes decisões que agora se puderem tomar acabarão por ter reflexos neste futuro que parece longínquo, mas que já está a bater à nossa porta. Junto ao abismo desta desertificação o poder político não pode continuar a inventar guerras de alecrim e manjerona para evitar as grandes decisões que poderão inverter, ou não, esta tendência desértica. Porque, com estas previsões, nem os negócios económicos à volta da nossa floresta sobreviverão. Porque nesse mundo a água será então o nosso petróleo verde. É por isso que muito do debate político a que se assiste parece patético e triste.

 

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

mas tu também queres ter uma casa no exterior, ou não? é só betão sua taínha mal cheirosa

Anónimo Há 2 semanas

infelizmente já é um "deserto" de gente séria e responsável, com ideias e visão!

Anónimo Há 2 semanas

Muito bom!

Mr.Tuga Há 2 semanas

Espectacular!
Este sitio de MIERDA e com politiqueiros e gente IMBECIL BRONCA e sem CIVISMO AMBIENTAL não tem futuro!

79% território esta em SECA SEVERA ou EXTREMA!
Mas todos dias vejo gente a desperdiçar agua de formar REPUGNANTE e GROSSEIRA! Até mesmo as autarquias...
Sitio PESTILENTO!