José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito 04 de janeiro de 2017 às 20:00

Vitória muito amarga do BCE

O aumento da inflação por via do encarecimento do preço do petróleo tenderá a penalizar o consumo diretamente, além de implicar menor necessidade de manter condições monetárias tão expansionistas.

A FRASE...

 

"A inflação alemã (…) atingiu o nível mais elevado em três anos, indiciando que a política monetária do BCE está a funcionar."

 

Reuters 3 de janeiro de 2017

A ANÁLISE...

 

Na Alemanha, a taxa de inflação homóloga passou de 0,7% em novembro para 1,7% em dezembro, essencialmente devido ao efeito conjugado do aumento do preço do petróleo e da forte depreciação do euro. Se o primeiro só muito indiretamente é obra do BCE, já a segunda tem a marca de água de uma política monetária extremista, que combina taxas de juro negativas com a compra de montantes avultados de dívida europeia. Tudo isto justificado pelo risco de deflação, que agora a generalidade dos analistas considera ter desaparecido. Caso para clamar vitória, sem dúvida. Uma vitória amarga, no entanto, porque a recuperação económica da área do euro iniciada em 2014 tem-se baseado no crescimento robusto do consumo privado, que teve como principais impulsionadores a redução da fatura energética e a queda dos custos de serviço de dívida das famílias, associado à diminuição das taxas de juro do euro.

 

O aumento da inflação por via do encarecimento do preço do petróleo tenderá a penalizar o consumo diretamente, além de implicar menor necessidade de manter condições monetárias tão expansionistas, o que concorre para a inversão da tendência decrescente das taxas de juro, prejudicando, também por esta via, o consumo. Mas porventura mais preocupante, a redução do ritmo de compras de dívida pública por parte do BCE, que necessariamente resultará da normalização da política monetária, aumentará a pressão sobre os países mais endividados, entre os quais figura Portugal. Não foi por acaso que, em reação à divulgação da taxa de inflação alemã, a taxa de juro implícita nas obrigações do Tesouro português a dez anos sofreu um dos maiores aumentos dos últimos seis meses e para valores muito próximos de 4,0%.

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.01.2017

A actual situação económica portuguesa, devido em primeiro lugar a uma politica cambial louca iniciada há trinta anos (sim, estamos a sofrer por algo começado há 30 anos) do Cavaco Silva e que culminou na adesão ao euro com um escudo brutalmente sobrevalorizado e que continua inalterada, e em segundo lugar (e em grande parte consequência do referido anteriormente) por causa duma dívida externa (pública e privada) assustadora, não é sustentável, pelo menos a médio e longo prazo.

Não seria melhor, a curto prazo, reestruturar a dívida e sair do euro de forma organizada e controlada, minimizando os seus custos? A alternativa é fazer o mesmo, mais tarde, no meio do caos económico, político e social ...

Estamos a espera de quê, do D. Sebastião numa manhã de nevoeiro?

País de loucos e fidalgos arruinados, sempre fomos assim!

comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2017

A actual situação económica portuguesa, devido em primeiro lugar a uma politica cambial louca iniciada há trinta anos (sim, estamos a sofrer por algo começado há 30 anos) do Cavaco Silva e que culminou na adesão ao euro com um escudo brutalmente sobrevalorizado e que continua inalterada, e em segundo lugar (e em grande parte consequência do referido anteriormente) por causa duma dívida externa (pública e privada) assustadora, não é sustentável, pelo menos a médio e longo prazo.

Não seria melhor, a curto prazo, reestruturar a dívida e sair do euro de forma organizada e controlada, minimizando os seus custos? A alternativa é fazer o mesmo, mais tarde, no meio do caos económico, político e social ...

Estamos a espera de quê, do D. Sebastião numa manhã de nevoeiro?

País de loucos e fidalgos arruinados, sempre fomos assim!

pub
pub
pub