Raquel Godinho
Raquel Godinho 06 de julho de 2017 às 19:49

Wall Street não enche os bolsos de Trump

Num ano positivo para as bolsas mundiais, as acções dos Estados Unidos têm vindo a renovar máximos históricos sucessivos. Um desempenho que tem aumentado os rendimentos de muitos investidores.

Mas nem todos têm beneficiado destes bons ventos que se vivem nas praças norte-americanas. Pelo menos é o que diz Donald Trump. O presidente dos Estado Unidos, que segundo as informações da sua administração vendeu todas as acções em Junho de 2016, queixou-se, aliás, que todos estão a ficar ricos com o mercado accionista. Menos ele. "Quando eu digo que o mercado accionista está em máximos históricos, digo que somámos quase quatro biliões de dólares ao valor de mercado, desde 8 de Novembro, quando ocorreram as eleições. Quatro biliões de dólares [3,53 biliões de euros] - é muito dinheiro. Pessoalmente, não fiquei com nada, mas está tudo bem. Todas as outras pessoas estão a ficar ricas. Está 'ok'. Estou muito contente", afirmou Trump, num discurso na Polónia, citado pela Business Insider. E, também neste campo, há críticas a fazer aos media. É que, nos últimos dias, o presidente dos EUA tem repetido as queixas de que a comunicação social não tem acompanhado adequadamente os recordes do mercado accionista.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub