Raquel Godinho
Raquel Godinho 20 de dezembro de 2017 às 21:47

Wall Street vai fazer história no próximo ano?

Os principais índices de Wall Street vão terminar o ano com ganhos de dois dígitos e este deverá mesmo ser o melhor ano desde 2013. Isto depois de terem fixado máximos históricos sucessivos. Os recordes foram tantos que é difícil acreditar que o ano que agora está prestes a começar possa ser melhor.

Mas os analistas consultados pelo MarketWatch acreditam que ainda há margem para mais ganhos. E, a julgar pelas estimativas destes especialistas, o próximo ano será marcado por mais recordes. Isto porque o "mercado touro" ("bull market") assinala em Março o seu nono ano. E, caso se mantenha até ao próximo mês de Agosto, será o mais longo de sempre. Os especialistas acreditam que as acções vão, nos próximos meses, beneficiar da reforma fiscal que foi aprovada esta semana. Ainda assim, os analistas não deixam de alertar que 2018 será marcado por uma inversão na política monetária dos principais bancos centrais do mundo. Em média, os analistas acreditam que o índice vai terminar o próximo ano nos 2.819 pontos, o que significa uma subida de 5,4% face ao último recorde atingido no passado dia 15 de Dezembro. O ano que agora termina é difícil de repetir, mas os ganhos podem não ter terminado.

 

Jornalista

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado O que diz a História… Há 4 semanas

São devidos agradecimentos a todos os que fazem ou publicam previsões, com a melhor das intenções;
Também é verdade que as previsões de consenso são regra geral as que menos desacertam;
Mas infelizmente diz a História que as previsões têm sido muito boas para extrapolar o passado recente, mas nunca, por nunca para antecipar o futuro próximo.
Prudência, portanto, porque é inevitável virem aí, como na Bíblia, “tempos de vacas magras”.
Mas ninguém sabe exactamente quando, e é certo que haverá substancial confusão, hesitação e atraso na reacção, quando tais tempos chegarem.
Primeiro insidiosamente com “pés de veludo” e “batendo leve, levemente”, mas depois provocando seguramente "pranto e ranger de dentes".

comentários mais recentes
RE: “estimativas destes especialistas” Há 4 semanas

As Sociedades em geral, as Bolsas em particular – precisam de especialistas.
Mas, ainda mais, precisam de ter consciência das limitações daqueles porque, por mais competentes que sejam, são humanos, não têm dotes de omnisciência, e amiúde apresentam-se como gurus quando não deixam de ter pés de barro!
Cite-se o caso de economistas especializados na previsão de pontos de viragem das Bolsas, ou seja, na previsão do início de “Bear Markets”:
De 48 previsões que fizeram entre 1970 e 1995, 46 mostraram-se erradas!
Cabe então perguntar:
Valerá a pena o investimento em estudo para se ser “especialista”, e serão os mesmos inúteis?
NÃO:
Os especialistas em média formulam previsões ligeiramente mais precisas do que atirar uma moeda ao ar (Tetlock-The Economist-2013).
Mas mesmo uma insignificante vantagem em sistemas altamente não lineares como o são as Bolsas, pode alavancar uma melhoria de resultados que justificam, muitas, muitas vezes todo o esforço para se tornar um especialista.

5640533 Há 4 semanas

Sabemos qual é o indice, mas a Senhora tem de escrever o nome.

O que diz a História… Há 4 semanas

São devidos agradecimentos a todos os que fazem ou publicam previsões, com a melhor das intenções;
Também é verdade que as previsões de consenso são regra geral as que menos desacertam;
Mas infelizmente diz a História que as previsões têm sido muito boas para extrapolar o passado recente, mas nunca, por nunca para antecipar o futuro próximo.
Prudência, portanto, porque é inevitável virem aí, como na Bíblia, “tempos de vacas magras”.
Mas ninguém sabe exactamente quando, e é certo que haverá substancial confusão, hesitação e atraso na reacção, quando tais tempos chegarem.
Primeiro insidiosamente com “pés de veludo” e “batendo leve, levemente”, mas depois provocando seguramente "pranto e ranger de dentes".

pub