Nouriel Roubini : O regresso das guerras cambiais
A recente decisão do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) de aumentar o âmbito dos seus estímulos à economia (expressos na chamada flexibilização quantitativa, que se traduz sobretudo na compra de activos) é um sinal de que pode estar em vias de surgir uma nova ronda de guerras cambiais. O esforço do BoJ para debilitar o iene é uma abordagem de concorrência desleal que está a motivar reacções políticas por toda a Ásia e no resto do mundo.
Erik Berglof  : O caminho ucraniano da Europa para a normalidade
Numa altura em que a Europa celebrou recentemente o 25º aniversário da queda do Muro de Berlim, pairam novamente nuvens negras sobre o continente. Tal como não houve nada de inevitável nas importantes mudanças que se seguiram ao final da Guerra Fria, a convergência económica e política na Europa a que nos habituámos também não foi previamente determinada. O ímpeto rumo à integração continua a ser forte; no entanto, especialmente desde a crise financeira mundial de 2008, surgiram forças contraditórias, ameaçando desfazer grande parte do progresso que foi alcançado.
16 de Dezembro | Jeffrey D. Sachs
Jeffrey D. Sachs : O ano do desenvolvimento sustentável
O ano de 2015 será a grande oportunidade da nossa geração para fazer avançar o mundo em direcção ao desenvolvimento sustentável. As três negociações de alto nível entre Julho e Dezembro podem reorganizar a agenda mundial de desenvolvimento e dar um impulso importante a alterações decisivas no funcionamento da economia mundial. Com o apelo do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, a favor da adopção de medidas no seu relatório "O Caminho para a Dignidade", o Ano do Desenvolvimento Sustentável começou.
16 de Dezembro | Moshe Alamaro
Moshe Alamaro : Melhores respostas perante a escassez de água
Na Califórnia, os consumidores residenciais estão a ser multados por desperdício de água. O objectivo é reduzir o consumo em 20%, no âmbito da luta contra uma seca severa. O problema é que o uso da água residencial representa menos de 15% do consumo total. O resto se destina principalmente à agricultura. Mesmo se as metas definidas forem alcançadas, não representarão menos de 3% da procura total – uma gota num balde quase vazio.
15 de Dezembro | Kenneth Rogoff
Kenneth Rogoff : Poderá o Japão relançar-se?
As recentes decisões políticas do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe - intensificar os estímulos monetários, adiar o aumento de impostos sobre o consumo e convocar eleições antecipadas – criaram um intenso debate político no país. O problema é simples: como é que as economias envelhecidas podem retomar o crescimento depois de uma crise financeira? Mas a solução não é.
12 de Dezembro | Robert Skidelsky
Robert Skidelsky : O rei filósofo e o presidente filósofo
Há pouco tempo conheci o presidente irlandês Michael Higgins, com quem partilhei o espaço para um discurso no qual traçou vínculos entre a sua nova "iniciativa de ética" e um livro que escrevi com o meu filho, How Much is Enough? Money and the Good Life. Fiquei impressionado pela sua devoção ao pensamento. De facto, as ideias são uma paixão para o presidente-poeta da Irlanda – e deveriam ser para mais chefes de Estado.
12 de Dezembro | Anu Madgavkar
Anu Madgavkar : As novas promessas económicas da Índia
É provável que em breve a economia da Índia esteja a andar novamente. O novo governo decidiu reestabelecer a disciplina orçamental e dar energia à burocracia, o que dá alento a esperanças de que melhore a confiança empresarial e se reactive o investimento, particularmente em infra-estruturas. Mas entre as possibilidades de crescimento da Índia oculta-se uma mistura de oportunidades económicas pouco conhecidas, repartidas por diferentes estados, distritos, cidades e inclusive povoações – que as empresas apenas poderão descobrir investigando a fundo.
11 de Dezembro | Jean Pisani-Ferry
Jean Pisani-Ferry : Fazer bom investimento na Europa
O novo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, recolocou o investimento na agenda com a sua ideia para um plano trienal de investimento de 300 mil milhões de euros. Os líderes da União Europeia (UE) iniciaram a discussão desta proposta este mês. Toda a gente parece concordar que mais investimento ajudaria a fortalecer a preocupantemente fraca economia europeia. Mas, por detrás do consenso superficial, muitas questões permanecem sem resposta.
11 de Dezembro | Robert Shiller
Robert Shiller : Criatividade, corporativismo e multidões
O crescimento económico, tal como o conhecemos há muito tempo pelo trabalho de economistas como Robert M. Solow do MIT, é maioritariamente determinado pelo conhecimento e inovação e não apenas pela poupança e acumulação de capital. Em última análise, o progresso económico depende da criatividade. É por isso que o medo de "estagnação secular" nas actuais economias avançadas tem levado muitos a questionarem como a criatividade pode ser impulsionada.
11 de Dezembro | Minxin Pei
Minxin Pei : A Ásia da China?
Distinguir retórica diplomática de políticas oficiais nem sempre é fácil. Mas é especialmente difícil na China, onde as acções do Governo muitas vezes não correspondem às palavras. Posto isto, vale a pena perguntar se o último "slogan" adoptado pelos responsáveis chineses – "Ásia para os asiáticos" – é uma postura meramente nacionalista para o consumo interno, ou um sinal de uma genuína mudança ideológica.
11 de Dezembro | Brahma Chellaney
Brahma Chellaney : O arco sunita da instabilidade
Enquanto os observadores internacionais concentram a sua atenção no papel que a rivalidade entre sunitas e xiitas desempenha na configuração geopolítica do mundo islâmico, tornam-se cada vez mais evidentes fissuras profundas dentro do arco sunita que se estende desde a região do Magrebe-Sahel do Norte de África até à franja Afeganistão-Paquistão.
10 de Dezembro | Daniel Gros
Daniel Gros : Os grilhões alemães da Europa
Um barco que está a ser sacudido pela tempestade perto de penhascos perigosos precisa de uma âncora forte para evitar embater contra as rochas. Em 2012, quando uma tempestade financeira atingiu a Zona Euro, foi a Alemanha que manteve o navio europeu a salvo do desastre. Mas agora, a âncora da Europa tornou-se um freio, que está a dificultar a caminhada em diante.
10 de Dezembro | Hans-Werner Sinn
Hans-Werner Sinn : A Europa debate-se com a dívida
O primeiro-ministro francês Manuel Valls e o seu congénere italiano, Matteo Renzi, declararam – ou pelo menos insinuaram – que não irão cumprir as regras do pacto orçamental com que todos os membros da Zona Euro se comprometeram em 2012; em vez disso, tencionam contrair nova dívida. Esta postura releva a decisiva falha na estrutura da União Monetária Europeia – que os líderes europeus têm de reconhecer e enfrentar antes que seja demasiado tarde.
09 de Dezembro | Daniel Gros
Daniel Gros : O 'cão na noite' da Europa
A nova Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker teve um começo difícil. Mas não tivemos conhecimento disso através das notícias. Como dizia Sherlock Holmes, um cão que não ladra à noite, geralmente passa despercebido. No caso da Europa, as regras orçamentais da União Europeia estão em causa, e a Comissão – o cão de guarda da UE - devia ladrar bem alto quando elas são violadas.
09 de Dezembro | Michael Boskin
Michael Boskin : Os próximos avanços do comércio
As notícias económicas são sombrias em todo o mundo. Este ano, o crescimento da economia tem sido decepcionante, e o Fundo Monetário Internacional espera apenas uma ligeira melhoria em 2015. A Europa poderá cair de novo numa recessão, e até mesmo a economia alemã, outrora robusta, está à beira do desastre. A China está a desacelerar, e o Brasil, Rússia e Índia estão a lutar contra a estagnação.
04 de Dezembro | Brahma Chellaney
Brahma Chellaney : A guerra sem fim dos Estados Unidos
É oficial: o presidente dos Estados Unidos e prémio Nobel da Paz está de novo em guerra. Depois de derrubar o lider líbio Muammar el-Qaddafi e de bombardear alvos na Somália e no Iemen, Obama iniciou ataques aéreos no norte do Iraque, declarando guerra ao Estado Islâmico – uma decisão que afectará a soberania e, possivelmente, levará à desintegração do Estado sírio. Com esta intervenção, Obama ignora mais uma vez o direito internacional e norte-americano, pois não solicitou a aprovação do Congresso dos Estados Unidos nem do Conselho de Segurança das Nações Unidas.
economistas Em colaboração com Project Syndicate
  • A recente decisão do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) de aumentar o âmbito dos seus estímulos à economia (expressos na chamada flexibilização quantitativa, que se traduz sobretudo na compra de activos) é um sinal de que pode estar em vias de surgir uma nova ronda de guerras cambiais. O esforço do BoJ para debilitar o iene é uma abordagem de concorrência desleal que está a motivar reacções políticas por toda a Ásia e no resto do mundo.
  • Numa altura em que a Europa celebrou recentemente o 25º aniversário da queda do Muro de Berlim, pairam novamente nuvens negras sobre o continente. Tal como não houve nada de inevitável nas importantes mudanças que se seguiram ao final da Guerra Fria, a convergência económica e política na Europa a que nos habituámos também não foi previamente determinada. O ímpeto rumo à integração continua a ser forte; no entanto, especialmente desde a crise financeira mundial de 2008, surgiram forças contraditórias, ameaçando desfazer grande parte do progresso que foi alcançado.
  • O ano de 2015 será a grande oportunidade da nossa geração para fazer avançar o mundo em direcção ao desenvolvimento sustentável. As três negociações de alto nível entre Julho e Dezembro podem reorganizar a agenda mundial de desenvolvimento e dar um impulso importante a alterações decisivas no funcionamento da economia mundial. Com o apelo do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, a favor da adopção de medidas no seu relatório "O Caminho para a Dignidade", o Ano do Desenvolvimento Sustentável começou.
  • Na Califórnia, os consumidores residenciais estão a ser multados por desperdício de água. O objectivo é reduzir o consumo em 20%, no âmbito da luta contra uma seca severa. O problema é que o uso da água residencial representa menos de 15% do consumo total. O resto se destina principalmente à agricultura. Mesmo se as metas definidas forem alcançadas, não representarão menos de 3% da procura total – uma gota num balde quase vazio.
  • As recentes decisões políticas do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe - intensificar os estímulos monetários, adiar o aumento de impostos sobre o consumo e convocar eleições antecipadas – criaram um intenso debate político no país. O problema é simples: como é que as economias envelhecidas podem retomar o crescimento depois de uma crise financeira? Mas a solução não é.
04 de Dezembro | Martin Feldstein
Martin  Feldstein : O impacto geopolítico do petróleo barato
O preço do petróleo caiu mais de 25% nos últimos cinco meses para menos de 80 dólares por barril. Se o preço continuar neste nível, terá implicações importantes – algumas boas, algumas más – para muitos países em todo o mundo. Se cair ainda mais – como parece ser provável – as consequências geopolíticas em alguns países produtores de petróleo podem ser dramáticas.
02 de Dezembro | Bjørn Lomborg
Bjørn Lomborg : O desafio demográfico
Quando se pensa no "problema demográfico" mundial centra-se, normalmente, a atenção no rápido crescimento da população em algumas partes do mundo em desenvolvimento. Mas, globalmente, a taxa de crescimento da população está, na verdade, a cair e espera-se que estabilize no final do século.
20 de Novembro | Ashoka Mody
Ashoka Mody  : Testando a rede de segurança da Zona Euro
As autoridades monetárias da Zona Euro estão consumidas com ajustes triviais como o grau de "flexibilidade" nas regras orçamentais e o plano dúbio do BCE de comprar activos garantidos. Durante todo este tempo, mostraram-se confiantes no lema de Scarlett O’Hara: "Amanhã é outro dia".
pub
pub